x

Empresarial

Trabalho em casa: como separar contas pessoais e da empresa?

Especialista dá dicas para garantir que a receita do negócio de quem atua em casa não se misture com as despesas pessoais .

28/01/2022 16:00:01

1,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Trabalho em casa: como separar contas pessoais e da empresa? Pexels

Dados da Pnad Covid-19 apontam que, com a estruturação do home office e trabalho híbrido por muitas empresas, cerca de 8,2 milhões dos trabalhadores no Brasil seguem o regime de trabalho remoto. 

E isso também é sentido no universo do empreendedorismo. Muitos transformaram o lar na sede da sua empresa. Neste contexto é comum surgir dúvidas com relação a formas de pagamento de dívidas e de organização financeira nas empresas. 

Para se ter uma ideia, só no recorte do Sebrae, que ouviu os microempreendedores individuais, constatou-se que 39% dos MEIs não lançam todas as receitas para fazer o controle de entradas de recursos financeiros; 48% não realizam previsão de gastos e 34% não têm o costume de acompanhar o saldo de caixa.

“A digitalização e desburocratização de muitos processos para abertura de empresas impulsionaram esse aumento de pequenas empresas, principalmente por parte de pessoas que perderam seus empregos durante a pandemia. 

E a falta de conhecimento em organização financeira acaba levando esses empresários a situações complicadas com seus negócios”, diz Manoel Victor Tomaz, CEO da Marvee, empresa especializada em gestão e terceirização do departamento financeiro.

Despesas pessoais e da empresa

Uma das situações mais comuns, de acordo com o especialista, é a confusão feita pelo empresário entre contas/despesas pessoais e contas/despesas do trabalho. 

“As contas da empresa são da empresa, independentemente de onde você trabalhe. Então, se o local do seu negócio é, também, onde você mora, é preciso fazer o controle de todos os materiais e equipamentos utilizados durante seu expediente ou exclusivamente para a empresa”, explica Manoel.

O especialista também lembra que é fundamental fazer um levantamento financeiro para se ter clareza em relação a quanto de lucro e despesas a empresa tem.

“Para a contabilidade, despesa é o custo necessário para que a empresa funcione. As despesas estão relacionadas aos valores gastos com a estrutura administrativa”, complementa.

A consequência mais drástica dessa falta de planejamento é a falência e a não possibilidade de quitar suas dívidas, o que pode implicar em muitas situações incômodas para o empreendedor. 

Uma das dicas de Manoel é abrir duas contas - uma para a empresa e outra para seu uso pessoal. Com a ascensão de bancos digitais, ficou ainda mais fácil ter contas sem necessidades de gastos. 

Outra orientação do especialista é definir um dia específico no mês para receber o lucro, como se fosse o dia do pagamento. 

“Pode parecer besteira, um exagero, mas na hora que entra o pagamento de um cliente, o empresário lembra que tem uma conta atrasada para pagar e lá se vai o dinheiro, sem ter nenhum registro de como aquela renda foi aplicada. Isso gera, ao final do mês, a frustração de achar que trabalhou muito e recebeu pouco o ‘nada’. Organização, planejamento e disciplina são os três principais pilares para uma vida financeira saudável, principalmente quando se trabalha por conta própria”, conclui o especialista.

Definição de salário X distribuição de lucro

O especialista em finanças também indica que é importante estabelecer remuneração mensal para o empreendedor, garantindo assim clareza sobre o que se pode ou não retirar do caixa do negócio. 

“No início, indicamos que se estabeleça o salário baseando-se nas despesas do empresário, mesmo que ele esteja abaixo do valor de mercado para a sua profissão. E isso precisa estar claro - ter uma empresa não é uma profissão, mas sim aquilo que você executa”, reforça.

Ele também dá um exemplo de que se você é arquiteto, é preciso que estabeleça sua remuneração conforme essa ocupação. O restante do que sobrar em caixa fica na empresa para retiradas periódicas de lucros - trimestral ou anual, por exemplo. 

“Isso ajuda a reduzir o problema de retiradas não controladas do caixa”, pontua.

Por fim, o especialista comenta que contar com apoio profissional assim que a empresa se estabelecer pode ser fator decisivo para o crescimento. 

“Para o empreendedor se dedicar ao core do negócio precisa abrir mão de atividades operacionais, terceirizar a gestão financeira para uma empresa especializada traz maior organização e controle de caixa, facilitando o crescimento da empresa”, conclui.

Com informações da Trevo Comunicação

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.