x

Ipea

Afastamento de trabalhadores recua no final de 2021

O levantamento do Ipea mostrou que no quarto trimestre do ano passado, a taxa de afastamento do trabalho ficou em 1,84%.

15/03/2022 12:00:01

940 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Afastamento de trabalhadores recua no final de 2021 Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O afastamento de trabalhadores de suas atividades profissionais têm recuado desde o primeiro trimestre de 2021, segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

O levantamento mostrou que no quarto trimestre do ano passado, essa taxa ficou em 1,84%, abaixo das observadas no terceiro trimestre (1,99%), segundo trimestre (2,27%) e do primeiro trimestre de 2021 (3,31%).

Segundo o Ipea, o valor também ficou muito inferior aos 15,88% do segundo trimestre de 2020, auge das medidas de isolamento devido à covid-19. 

A taxa do último trimestre de 2021 foi ainda a mais baixa do período de pandemia e ficou abaixo dos registrados em 2019 (período pré-pandemia), que variaram entre 2,05% e 3,84%.

O maior percentual de afastamentos no último trimestre de 2021, ocorreu entre servidores públicos estatutários e militares (3,84%), enquanto a menor taxa ficou entre os empregadores (0,52%).

A proporção entre as horas habitualmente trabalhadas e aquelas que foram efetivamente trabalhadas ficou em 97%, enquanto que, no início da pandemia, atingiu 78%.

Além disso, o estudo mostrou que o país também fechou 2021 com recuo na desigualdade da renda do trabalho em relação a 2020. 

De acordo com a pesquisa, o índice de Gini chegou a 0,490 no quarto trimestre do ano passado. Com isso, ficou abaixo do 0,507 do terceiro trimestre de 2020, pico provocado pela saída de trabalhadores menos qualificados do mercado de trabalho naquela época.

Fonte: com informações da Agência Brasil 

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.