x

e-commerce estrangeiro

Receita Federal diz que está elaborando MP para coibir “camelódromo virtual”

Secretário da Receita fala sobre possível ação contra e-commerces estrangeiros, como AliExpress e Shopee, após pedido de empresários.

28/03/2022 09:15:01

24,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Receita Federal diz que está elaborando MP para coibir “camelódromo virtual” Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A empresas de comércio eletrônico estrangeiras que vendem mercadorias para brasileiros sem pagar os devidos impostos estão na mira da Receita Federal. Uma Medida Provisória (MP) está sendo estudada pelo Fisco e vai atingir empresas como AliExpress e Shopee.

O anúncio foi feito pelo secretário especial da Receita Federal, Julio Cesar Vieira Gomes, durante um evento na semana passada. Ele disse que a mudança vai permitir verificar o fluxo financeiro das operações e comparar com o que é declarado na importação das mercadorias.

Segundo o secretário, a decisão é para coibir o que chamou de “camelódromo virtual”

"Estamos desenvolvendo uma medida provisória e acho que ela vai ter ganhos elevadíssimos", disse Gomes.

Medida atende pedido de empresários

A medida começou a ser estudada após pedido de empresários como Alexandre Ostrowiecki, CEO da Multilaser.

Os empresários afirmam que empresas asiáticas têm aproveitado trecho da legislação que autoriza a pessoa física a enviar bens estrangeiros para outra pessoa no Brasil sem pagar impostos, desde que o valor da mercadoria fique abaixo de US$ 50.

A avaliação é que empresas de comércio eletrônico estão fraudando os dados ao registrar mercadorias mais caras com preço abaixo do valor de US$ 50. Além disso, muitas declaram a operação como se fosse uma transação entre duas pessoas físicas.

"Existem grandes plataformas asiáticas de ecommerce que usam uma brecha que permite que pessoas enviem produtos de fora sem pagar imposto. Essa brecha foi criada nos anos 1980 pensando em encomendas de pessoa física para pessoa física", afirmou Ostrowiecki em vídeo veiculado durante o evento.

"Essas plataformas estão enviando centenas de milhares de pacotes fingindo ser pessoas físicas e subfaturam [os produtos]", disse.

Segundo ele, dados da Receita apontam que o número de encomendas está crescendo de forma geométrica e já passa de 700 mil pacotes por dia, "direto dos fabricantes asiáticos para a casa das pessoas, sem pagar tributo".

Para ele, a situação é injusta com as empresas brasileiras –que têm que recolher os impostos brasileiros com uma carga alta.

Segundo Ostrowiecki, o país perde R$ 80 bilhões em arrecadação por ano com as fraudes e a demanda já foi apresentada aos ministérios da Economia e da Justiça, além da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Medidas que devem ser impostas

Entre as medidas discutidas com a Receita, está fazer os sites de marketplace (que vendem produtos de diferentes lojas) serem responsabilizados criminalmente como solidários às operações de seus parceiros. 

Além disso, também é sugerida a responsabilização solidária do transportador (como os Correios) em caso de transporte de produto ilegal.

Os empresários ainda defendem a exigência de a nota fiscal acompanhar qualquer mercadoria a ser transportada pelos Correios, com todos os dados fiscais necessários. 

E pedem ao governo até mesmo o veto a empresas atacadistas, varejistas ou de e-commerce de comprarem os Correios no processo de privatização da estatal.

Nas reuniões com o governo, tem sido feita uma apresentação sobre o contrabando digital organizada pelo Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV) – que menciona até perigos sobre a qualidade dos produtos e dos serviços, usando fotos que retratam centros de distribuição das empresas acusadas com mercadorias espalhadas pelo chão.

“Plataformas digitais internacionais, com operações dentro e fora do Brasil, iniciaram um verdadeiro ataque criminoso à economia brasileira a uma velocidade surpreendente”, disse o IDV em apresentação sobre o tema.

"Aproveitando-se da pandemia, plataformas digitais internacionais, com operações dentro e fora do Brasil, iniciaram um verdadeiro ataque criminoso à economia brasileira a uma velocidade surpreendente e, ao mesmo tempo, sem qualquer respeito às legislações nacionais —em especial as tributárias", afirma o texto do IDV.

"Estas plataformas estão dizimando pequenas, médias e até mesmo grandes empresas nacionais, desde o comércio varejista até o setor industrial. Empresas, empregos e a arrecadação de impostos estão sob um ataque sem precedentes na história econômica do país", diz o texto.

Fonte: com informações da Folha de S.Paulo

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.