x

Oportunidades

Guia Salarial 2022 é atualizado; veja tendências nacionais

Transformação digital e crescimento de fusões e aquisições (M&A) movimentam as áreas de TI, finanças e contabilidade

11/05/2022 14:30:01

3,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Guia Salarial 2022 é atualizado; veja tendências nacionais Foto: Marcos Santos/USP Imagens

A  Robert Half, empresa de recrutamento especializado, atualizou os dados sobre as principais tendências do Guia Salarial 2022. Para os novos dados, foram levados em consideração o processo de recuperação e reestruturação da economia após os impactos da Covid-19, os novos modelos de trabalho e a velocidade dos movimentos de atração e retenção de talentos. 

“Estamos lidando com uma série de mudanças em tempo real nos escritórios. A pandemia acelerou tendências que ditam os rumos das relações de trabalho no mundo, e agora se estabilizam com a possibilidade da retomada do trabalho híbrido ou presencial. É importante que as companhias ajam com um olhar estratégico do ponto de vista de atração e retenção de talentos nessa tomada de decisão, para que se tornem opções competitivas para profissionais-chave”, afirma o diretor-geral da Robert Half para a América do Sul, Fernando Mantovani.

Retenção no topo das atenções

A 14ª edição do Guia Salarial mostra que 89% dos recrutadores demonstram estar preocupados com a retenção dos melhores talentos em 2022.

Entre os fatores que motivam esse alto índice de preocupação, 40% afirmam que há maior busca de mais qualidade de vida por parte dos colaboradores; 31% veem uma abordagem agressiva da concorrência; 26% acreditam que sua empresa não oferece salários e benefícios competitivos; e 25% percebem a desmotivação como fator que dificulta a retenção. 

“Essa preocupação dos recrutadores revela a importância de algumas atitudes das empresas para se manterem atrativas e competitivas aos olhos dos profissionais. É importante que elas invistam em políticas claras de trabalho, transparência das relações entre profissionais e lideranças, além de um bom pacote de benefícios e remuneração, condizentes com o mercado”, explica Mantovani.

Retomada da confiança e contratações

Apesar das preocupações de retenção, os executivos têm perspectivas bastante positivas para 2022. 

Segundo a pesquisa, 90% dos executivos c-level estão mais confiantes na comparação com o mesmo período do ano passado. Entre as lideranças, 44% pretendem abrir novas vagas de trabalho; 52% planejam preencher posições abertas, embora não pretendam ampliar seu quadro de funcionários; e apenas 4% indicam a intenção de congelar as contratações.

“Uma tendência que ainda vemos crescer diante desse cenário é da contratação de profissionais por projeto, ou seja, de mão de obra especializada para aliviar a sobrecarga pontual das equipes, sem grandes necessidades de reestruturação de headcount. Mesmo diante de perspectivas positivas de crescimento, a contratação por projeto é uma saída importante para lidar com a imprevisibilidade econômica e o período de adaptação das organizações para os novos modelos de trabalho”, explica o diretor.

Entre as ações em alta para potencializar a atração dos melhores talentos, os recrutadores destacam: 

  • oferta de mais oportunidades de desenvolvimento (57%);
  • possibilidade de trabalho híbrido ou remoto (50%); 
  • oferta de mudança de cargo ou crescimento na empresa (47%); 
  • iniciativas de desenvolvimento (45%); 
  • aumento dos salários de entrada (43%).

A busca do “work life blend”

A principal mudança nas estratégias de atração e retenção das empresas está ligada a uma preocupação cada vez maior de empregados e empregadores: o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, ou “work life blend”. 

A Robert Half apurou que 49% dos tomadores de decisão nas empresas acreditam que seus colaboradores estão mais propensos a sofrer de burnout em 2022. Os principais motivos para essa percepção são a falta de equilíbrio entre o trabalho e a vida pessoal, assim como as altas cargas de trabalho.

“Muito do que as pessoas têm buscado no mercado de trabalho são empresas humanizadas. Aquelas que entendem que, por mais que a tecnologia evolua, a saúde física, mental e emocional dos colaboradores ainda é essencial, e impacta na qualidade dos resultados. Quando o colaborador se sente valorizado e respeitado, a tendência é de que ele retribua com engajamento e lealdade”, destaca Mantovani.

Para motivar os colaboradores e tornar o ambiente de trabalho cada vez mais saudável, as companhias vêm investindo em: 

  • maior flexibilização de horários (55%); 
  • comunicação regular (51%); 
  • benefícios associados à saúde e ao bem-estar dos colaboradores (35%). 

Setores de tecnologia e finanças seguem em alta

A aceleração da transformação digital e o crescimento do volume de processos de fusões e aquisições (M&A) têm movimentado bastante as áreas de TI, finanças e contabilidade.  

Nesse cenário, a retenção de talentos passou a ser considerada o principal desafio de 2022 para 48% dos CFOs e 53% dos CIOs entrevistados pela Robert Half. 

“A transformação digital foi uma máxima do mercado ao longo dos últimos dois anos, e as indústrias, de modo geral, abraçaram os processos de inovação e desenvolvimento. Como resultado, todas as profissões que são tendência para o futuro absorvem o impacto da tecnologia nas relações de trabalho, o que demanda amadurecimento na análise de dados, facilidade na operação de sistemas e um maior entendimento das ferramentas digitais disponíveis”, afirma Mantovani.

Entre os diretores de TI, o cenário se torna mais desafiador diante do aumento do turnover, sentido por 54% dos líderes entrevistados. As “top 5” prioridades indicadas por eles são: segurança da informação; inovação e investimento em tecnologia; trabalhar com recursos 5G na estratégia de TI; automatizar processos; e projetos em nuvem.

Quando olhamos para as condições de trabalho que buscam os profissionais desse setor, estão: desafio arrojado e interessante; empresa atrativa e que invista em tecnologia; trabalho remoto; benefícios flexíveis; bônus; e plano de carreira estruturado.

“No universo de finanças e contabilidade, seguimos falando de uma maior necessidade de planejamento, ou seja, do aumento de áreas estruturadas de planejamento financeiro, captação de recursos e investimentos, bem como do setor de controladoria, que faz a gestão de todos os números nessas áreas. A retomada dos IPOs, o câmbio e o retorno dos investidores estrangeiros também impulsionam a economia e aceleram as operações de M&A, que estão entre as principais estratégias dos CFOs em 2022”, destaca o executivo.

Os diretores financeiros mostram-se especialmente empenhados em valorizar os colaboradores com inglês fluente, facilidade de comunicação e alto conhecimento de mercado e técnico, incluindo Excel, ERP e ferramentas de BI. Apesar dos desafios, a maioria desses executivos está confiante quanto aos rumos do próprio negócio.

Entre as indústrias que lideram as contratações de profissionais nesse segmento, estão: tecnologia, e-commerce, agronegócio, logística, infraestrutura, farmacêutica/healthcare e bens de consumo.

No site, ainda é possível conferir as principais tendências de recrutamento, setores em alta, habilidades técnicas e comportamentais mais demandadas, além das posições em destaque nas áreas de engenharia, jurídico, recursos humanos, seguros, vendas e marketing indicadas pelo Guia Salarial 2022 da Robert Half. 

Fonte: com informações da RPMA Comunicação

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.