x

Taxação de grandes fortunas

Mundo ganhou 573 ultrarricos durante a pandemia, diz Oxfam

A ONG também alerta que os países mais pobres estão sofrendo cada vez mais com a inflação e propõe taxar 'urgentemente' as grandes fortunas do planeta.

28/05/2022 12:00:02

903 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Mundo ganhou 573 ultrarricos durante a pandemia, diz Oxfam Pexels

Dados divulgados pela ONG Oxfam mostraram que as ações das empresas de tecnologia negociadas em bolsa dispararam com a pandemia e, com isso, criou-se um novo bilionário a cada 30 horas, ou seja 573 novos ultrarricos.

No relatório intitulado "A necessidade urgente de taxar os ricos", a Oxfam propõe taxar "urgentemente" as grandes fortunas do planeta e alerta que os mais pobres estão sofrendo cada vez mais com a inflação.

"Os bilionários vão a Davos comemorar o incrível aumento de suas fortunas", disse a diretora-executiva da organização internacional, Gabriela Bucher, por meio de um comunicado.

Após um hiato de dois anos por causa da pandemia, as elites políticas e econômicas mundiais voltaram a se reunir nesta semana na cidade suíça de Davos para o Fórum Econômico Mundial.

Segundo a ONG, "a pandemia [de Covid-19] e agora as fortes altas nos preços dos alimentos e da energia têm sido simplesmente um golpe de sorte para eles".

A Oxfam baseia seus números nas listas e classificação da revista Forbes das pessoas mais ricas do mundo, e em dados do Banco Mundial. O relatório não traz a lista dos novos ultrarricos, mas destaca que a riqueza total dos bilionários do mundo é agora equivalente a 13,9% do PIB global.

O relatório também revelou que:

  • A fortuna dos bilionários aumentou nos primeiros 24 meses da pandemia mais do que em 23 anos;
  • Bilionários dos setores alimentício e de energia viram suas fortunas aumentarem em um bilhão de dólares a cada dois dias. Os preços dos alimentos da energia subiram tanto, que atingiram seu nível mais alto em décadas. Além disso, 62 novos bilionários do setor de alimentos surgiram;
  • A pandemia criou 40 novos bilionários do setor farmacêutico, com corporações como Moderna e Pfizer lucrando com a venda de vacina contra Covid-19, apesar de seu desenvolvimento ter sido apoiado por bilhões de dólares em investimentos públicos
  • A combinação entre a crise da COVID-19, o crescimento da desigualdade e o aumento dos preços dos alimentos pode fazer com que até 263 milhões de pessoas estejam na extrema pobreza em 2022, revertendo décadas de progresso. Tal número equivale a um milhão de pessoas a cada 33 horas.

Inflação

Diante deste aumento da riqueza, 263 milhões de pessoas vão cair na pobreza extrema este ano (um milhão de pessoas a cada 33 horas), segundo suas previsões, devido à inflação em alta em muitas partes do mundo, impulsionada principalmente pelo preços da energia e dos alimentos.

"Estamos revertendo décadas de progresso em matéria de pobreza extrema, com milhões de pessoas que enfrentam custos impossíveis para simplesmente se manter com vida", disse Bucher.

Para fazer frente a este problema, a ONG pede a adoção de medidas fiscais, como a adoção de um imposto de solidariedade único sobre a nova riqueza adquirida pelos bilionários durante a pandemia, com o objetivo de utilizar os recursos obtidos para apoiar os mais pobres e conseguir "uma recuperação justa e sustentável" após a pandemia.

A Oxfam também propõe um imposto temporário sobre os lucros extraordinários obtidos nos últimos anos pelas multinacionais dos setores alimentício, farmacêutico e petroleiro, por exemplo.

Um imposto anual de 2% sobre os milionários e de 5% sobre os bilionários geraria 2,52 bilhões de dólares ao ano, segundo estimativas da organização, um montante que poderia tirar 2,3 bilhões de pessoas da pobreza extrema, distribuir vacinas suficientes para todo o planeta e dotar todos os países pobres de cobertura sanitária.

Fonte: com informações do g1 /  France Presse

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.