x

Inflação

Inflação: perda de poder de compra faz nota de R$ 100 valer apenas R$ 13,43 em 28 anos do Plano Real

Especialista aponta que a inflação, de 1º de julho de 1994 até 1º de maio de 2022, foi de 644,55%.

16/06/2022 09:00:01

6,3 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Inflação: perda de poder de compra faz nota de R$ 100 valer apenas R$ 13,43 em 28 anos do Plano Real Pixabay

A nota de R$ 100, que em 1994 pagava o valor do salário mínimo e ainda sobrava troco, após 28 anos do Plano Real está valendo R$ 13,43.

Em julho de 1994, o salário mínimo era de R$ 64,79. Hoje, são necessárias 12 notas e ainda falta dinheiro para pagar o mínimo de R$ 1.212.

De acordo com cálculo feito com exclusividade pelo matemático financeiro José Dutra Vieira Sobrinho para a coluna do R7 - “O que é que eu faço, Sophia?”, a inflação, de 1º de julho de 1994 até 1º de maio de 2022, foi de 644,55%.

Na prática, isso significa que, para adquirir a mesma quantidade de mercadorias e serviços que R$ 100 compravam em 1994, o consumidor precisa desembolsar R$ 744,55.

Isso equivale a uma perda de 86,57% do poder de compra da moeda.

Dinheiro parado X Dinheiro investido

Para compreender a importância de investir o dinheiro para proteger dos efeitos negativos da inflação, vamos supor que duas pessoas tivessem R$ 100 mil em 1994. Na época, com esse dinheiro era possível comprar um apartamento de bom padrão.

Uma dessas pessoas resolveu guardar o dinheiro no colchão, ou no cofre, ou deixá-lo parado na conta. Os R$ 100 mil de 1994, hoje, equivaleriam, com a desvalorização da moeda, a R$ 13.430, que não dá para comprar um carro zero popular. 

O carro zero mais barato de 2022 é o Renault Kwid Zen, que sai por R$ 59.890, segundo a lista Autos Carros.

Para comprar o mesmo tipo de apartamento que valia R$ 100 mil em 1994, um brasileiro precisaria desembolsar, hoje, R$ 744.550. 

"Ou seja, continuaria com os mesmos R$ 100 mil, mas esse dinheiro teria um poder de compra muito menor", explica o professor.

Já quem tivesse decidido aplicar o dinheiro colocando-o, por exemplo, na poupança e não tivesse mexido nele até hoje, teria agora um saldo de R$ 1.534.132, segundo informa o matemático financeiro.

Percepção de valor

O professor lembra que, apesar dessa desvalorização, a percepção de valor do real se mantém. "Apesar de a nota de R$ 100 ter perdido 86% do seu poder aquisitivo, em muitos lugares as pessoas ainda não conseguem trocar essa nota, por ser considerada de valor alto. E a nota de R$ 200, lançada em setembro de 2020, quase nem é vista em circulação", afirma o professor.

Outro fato interessante a ressaltar é que, enquanto o real perdeu 86,57% do poder de compra da moeda, no período de apenas um ano na época da hiperinflação, o Brasil perdeu muito mais do que isso.

“Basta lembrar que, em apenas um mês, de 1º de março de 1990 a 1º de abril de 1990, a inflação oficial foi de 84,32%."

Fonte: com informações do R7

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.