x

União Europeia

Taxação global: Hungria veta imposto de 15% sobre multinacionais na UE

Ministro húngaro das Finanças, Mihály Varga, citou o "choque econômico" provocado pela "grave guerra em curso na Europa" para justificar o veto.

25/06/2022 12:00:01

758 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Taxação global: Hungria veta imposto de 15% sobre multinacionais na UE Foto: Marcos Santos / USP Imagens

O imposto global de 15% sobre os lucros de empresas multinacionais foi vetado pela Hungria.

Em reunião do Conselho para Questões Econômicas e Financeiras (Ecofin), órgão que reúne os ministros das Finanças do bloco, Budapeste disse que a introdução de uma taxa mínima global neste momento "provocaria um grave dano para a economia da UE".

O ministro húngaro das Finanças, Mihály Varga, justificou o veto citando o "choque econômico" provocado pela "grave guerra em curso na Europa". 

A Polônia também era contra a proposta, mas recuou após a Comissão Europeia ter liberado os repasses do fundo de recuperação da UE para o pós-pandemia.

O pacto relativo ao imposto global havia sido anunciado em junho de 2021, no âmbito da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) e com o aval de 130 países. Mais tarde, a iniciativa também ganhou apoio formal do G7 e do G20.

Reforma tributária global

O objetivo da criação de uma taxa global é evitar que multinacionais, especialmente as de tecnologia e internet, usem as disputas fiscais entre os países para pagar menos impostos. 

"É uma questão de justiça, equidade e eficácia econômica", disse o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire.

Governada pelo premiê de extrema direita Viktor Orbán, a Hungria tem sido uma constante antagonista das posições majoritárias na UE, ao mesmo tempo em que é alvo de investigações do bloco por violações do Estado de direito.

Nos últimos anos, o país boicotou sistematicamente as tentativas europeias de dividir igualmente entre os Estados-membros a tarefa de acolher os migrantes forçados que atravessam o Mediterrâneo.

Mais recentemente, fez a UE isentar o petróleo transportado via oleoduto das sanções contra a Rússia e vetou medidas contra o primaz da Igreja Ortodoxa Russa, Cirilo, por seu apoio à guerra na Ucrânia.

Fonte: ANSA

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.