x

ECONOMIA

Gastos com cesta básica chegam a R$663 e correspondem a 55% do salário mínimo

Brasileiros estão precisando desembolsar mais da metade do salário para consumir itens básicos de alimentação.

27/06/2022 15:30:01

863 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Gastos com cesta básica chegam a R$663 e correspondem a 55% do salário mínimo Pexels

Os gastos com alimentação continuam crescendo no país, seja pela inflação, pela “reduflação” ou mesmo pela falta de reajustes salariais das categorias.

O salário mínimo vigente no Brasil atualmente é de R$1.212,00 e o preço médio da cesta básica em junho deste ano, chegou a R$663,29, representando 55% do salário do trabalhador.

As informações são de um levantamento produzido pela CNN com base em dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), que levou em conta o valor dos alimentos em 16 capitais do país, desde 1998, e comparou com o respectivo salário mínimo de cada ano.

De acordo com o levantamento, este ano acumula o maior percentual atingido desde 2004, quando a cesta básica consumia uma parcela de cerca de 58% do salário mínimo.

Na época, o rendimento básico era de R$ 260 e os alimentos somavam, em média, R$ 150,72.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsáveis pelo medidor da inflação no Brasil, o Índice de preços no consumidor (IPCA), apontam que o grupo de alimentos e bebidas costuma representar mais de 20% do orçamento doméstico.

Entretanto, o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Alberto Ajzental, explica que para famílias mais pobres, com ganhos entre um e cinco salários, os gastos com alimentação chegam a somar até 35% dos ganhos.

“Quando a alimentação ocupa um espaço maior do salário, significa que estão perdendo poder de compra. Ou seja, elas dão preferência para os alimentos e gastos básicos, e sobra menos dinheiro para consumir. Então gasta mais em alimento, mas gasta menos com locomoção, cultura, educação, vestuário. No fim das contas, a população mais pobre fica desassistida”, afirma o economista.

Ainda segundo o levantamento, nos anos de 2012 e 2018, a cesta básica atingiu o menor custo em relação ao salário, chegando a representar 40% do ganho mensal.

Em 2012, a cesta custava em média R$ 248,36, enquanto a remuneração básica era de R$ 622,00. Já em 2018, o salário mínimo era de R$ 954, e a cesta básica média cerca de R$ 386,20. Já a partir de 2019, o percentual passou a subir.

Segundo o 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, divulgado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, o Brasil tem atualmente 33,1 milhões de pessoas sem ter o que comer.

São 14 milhões de brasileiros a mais em insegurança alimentar grave em 2022, na comparação com 2020, como consequência da pandemia da Covid-19.

Para Ajzental, a questão da insegurança alimentar no Brasil é urgente e é preciso uma intervenção do poder público para garantir as condições mínimas ou mais básicas de sobrevivência para essa população.

“Acredito que a gente, como nação, está falhando nisso”, completa. Outro viés da perda do poder de compra é o efeito a longo prazo da educação dos mais jovens.

Alberto Ajzental avalia que famílias em situação de vulnerabilidade tendem a inserir os jovens cada vez mais cedo no mercado de trabalho, comprometendo o futuro educacional das próximas gerações.

“Através da educação formal que esses jovens teriam uma chance de quebrar o ciclo, mas eles têm que ir cedo pro mercado de trabalho. Então todo mundo tem que trabalhar desde cedo para fazer frente às altas despesas. Isso é a perpetuação da miséria, porque quando você consegue dar o básico, um filho consegue estudar e quebrar o ciclo”, finaliza o professor.

Com informações CNN Business

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.