x

ECONOMIA

Com inflação em 12%, Campos Neto afirma que “pior momento da inflação já passou” no Brasil

Presidente do Banco Central acredita que medidas implementadas pela autarquia ainda serão sentidas no país, reduzindo o impacto da inflação.

28/06/2022 11:30:02

810 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Com inflação em 12%, Campos Neto afirma que “pior momento da inflação já passou” no Brasil Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou nesta segunda-feira (27), durante o Décimo Fórum Jurídico de Lisboa, que o “o pior momento da inflação já passou” no Brasil.

Segundo ele, graças ao histórico de convívio que o país teve com altos índices inflacionários, a autoridade monetária brasileira conseguiu “sair na frente”, adotando ferramentas capazes de frear o processo inflacionário.

O presidente da autarquia ainda aproveitou a oportunidade para ressaltar que o Brasil é um dos poucos países, que mesmo durante a alta inflacionária, está tendo revisões do Produto Interno Bruto (PIB) para cima.

“Inclusive a nossa última revisão no BC aumentou [a previsão de crescimento do PIB] de 1,5% para 1,7% [em 2022]. Provavelmente teremos PIB forte no segundo trimestre. Obviamente, em algum momento, tudo que estamos fazendo vai gerar alguma desaceleração no segundo semestre. Mas ainda assim o crescimento é bastante melhor do que se esperava no início do ciclo de ação”, afirmou Campos Neto.

Sobre a ação do BC, ele reforça: “como nós no Brasil entendemos que era problema mais de demanda, na minha opinião, até um pouco antes dos demais países, o BC do Brasil saiu na frente porque temos memória de inflação muito maior, e mecanismos de indexação muito mais vivos”, disse.

Neto afirmou também que o Brasil está perto de concluir o trabalho no aperto monetário, enquanto outros países ainda vão elevar bastante os juros.

Ainda segundo o presidente, o Brasil ainda apresenta um “componente de aceleração da inflação", mas acredita que o pior já passou.

“Temos algumas medidas desenhadas pelo governo que ainda precisamos entender os feitos delas no processo inflacionário, o que ainda não está claro, mas o Brasil fez o processo antecipado e acreditamos que nossa ferramenta é capaz e vai frear o processo inflacionário”, conclui.

Atualmente, o Brasil enfrenta a inflação a 12,04% ao ano, segundo Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), representando mais de duas vezes o teto da meta oficial para este ano, que é de 3,5%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.