x

OIBR3

Relatório final de recuperação judicial da Oi (OIBR3) aponta 35 mil credores com dívidas já quitadas

Relatório final da maior recuperação judicial da América Latina traz dados impressionantes.

30/06/2022 16:30:01

905 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Relatório final de recuperação judicial da Oi (OIBR3) aponta 35 mil credores com dívidas já quitadas Pexels

O relatório final sobre o processo de recuperação judicial da Oi (OIBR3) foi entregue na noite da última segunda-feira (27) pelo administrador responsável à 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, concluiu que 35 mil credores com créditos de até R$ 50 mil foram excluídos da lista, pois já tiveram suas dívidas quitadas.

No relatório da Oi, o escritório aponta que foram prolatadas 37,2 mil sentenças, algo nunca visto em casos de recuperação judicial. “Apesar do trabalho incansável, a média mensal de 1.074 incidentes distribuídos desde o início da fase judicial de habilitação e impugnação de crédito não permitiu que todos ainda fossem encerrados, permanecendo em tramitação 27.158 incidentes processuais.”

Além disso, o administrador judicial informou que foram 31,2 mil acordos de pagamento adiantado de créditos desses credores menores, além de mais de 4,6 mil em Portugal. No total, a Oi pagou R$ 640 milhões a credores concursais.

Para os credores parceiros, a companhia pagou o montante total de R$ 2,4 bilhões. A dívida da Oi de R$ 3,3 bilhões do BNDES foi paga após a conclusão da venda da Oi Móvel. Por sua vez, a dívida com a Anatel, ficou em R$ 9,1 bilhões, mas considerando a quitação de parte do valor, no final ficaram R$ 7,3 bilhões.

O escritório ainda informou em seu relatório que o processo da Oi se trata da maior recuperação judicial da América Latina.

Fonte: Suno Notícias

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.