x

APLICATIVOS PARA EMPRESAS

Aplicativos para smartphones podem abrir portas para empresas no meio digital

Entenda quais as vantagens em inovar e apostar em aplicativos para comercializar seus produtos aos clientes.

02/07/2022 10:00:01

1,1 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Aplicativos para smartphones podem abrir portas para empresas no meio digital Pexels

Muitas empresas que já se estabeleceram no mercado deixam de inovar, mantendo uma postura conservadora na condução dos negócios. Outras empresas acreditam que, por já terem dado certo sem os meios digitais, conseguirão sobreviver por mais tempo sem apostar neste meio.

No entanto, com diversas marcas facilitando o acesso aos seus produtos por plataformas digitais e aplicativos mobile, as companhias que buscam uma evolução mais efetiva devem seguir esse tipo de movimentação para não caírem no esquecimento do público.

Para o CEO da Alphacode, empresa que desenvolve aplicativos para grandes marcas, contar com um app mobile traz uma série de vantagens para aquelas que apostam nesse tipo de solução, além de melhorar a competitividade da marca.

“A principal delas é a proximidade com o consumidor, porque com um aplicativo sua marca fica constantemente dentro de um dispositivo do cliente. Em um site, por exemplo, o consumidor precisa lembrar de acessar aquela página, enquanto o app é o único artifício que pode ativar esse consumidor independente da vontade dele, pois um ícone está sempre presente ou notificações aparecem periodicamente”, explica o CEO.

Vantagens do digital para sua empresa

Segundo Franco, ter um app próprio ainda pode  aumentar o número de vendas e mostra que aquele usuário escolheu abrir uma porta de comunicação direta com a empresa.

Embora a entrada no ambiente digital pareça uma tarefa desafiadora para algumas organizações, fazer isso utilizando um aplicativo mobile é a solução que apresenta menos dificuldades para os gestores. 

“Os consumidores estão sempre com um smartphone na mão e habituados a usar aplicativos durante o dia todo. A empresa já vai entrar em uma linguagem que as pessoas estão acostumadas a consumir. Acreditamos que o aplicativo é a forma mais indolor para começar um plano de posicionamento digital em empresas que ainda não deram início a esse movimento”, pontua o CEO.

Franco afirma que, mesmo que o relacionamento físico e tradicional ainda seja majoritário em alguns segmentos, o aplicativo se torna uma extensão dessa relação.

“Um grande exemplo são as companhias que investem no conceito de omnichannel. O cliente não vai deixar de visitar a loja por causa do aplicativo, mas ele vai melhorar a experiência de visita dele valendo-se da ativação de um cupom, acompanhando os pontos que ele ganha no programa de fidelidade e até tomando consciência de ofertas que, eventualmente, numa sinalização física, ele não seria impactado”, revela.

Para os gestores que querem implementar um aplicativo em suas empresas, é importante ter em mente que o desenvolvimento não acontece do dia para a noite. O CEO explica que é um processo que precisa ser muito bem planejado para evitar que o estabelecimento desperdice tempo e energia. Entre planejamento, implementação e entrega, o tempo médio para o aplicativo chega a seis meses.

De acordo com Franco, é necessário dispor de um tempo para que todos os gestores e colaboradores se adaptem a essa nova realidade. Esse período, normalmente, é de 12 a 18 meses para que a empresa internalize a utilização do aplicativo, entendendo que aquele agora é um novo canal de aquisição, comunicação e relacionamento com os seus consumidores.

“É muito importante que a companhia tenha um processo claro de transformação digital e uma cultura voltada para a tecnologia. Tudo isso vai facilitar e aumentar as possibilidades de sucesso do projeto”, finaliza.

Com informações Alphacode e Carolina Lara Comunicação

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.