x

Refis das dívidas pessoais

Proer das famílias: consumidores endividados aguardam refinanciamento de dívidas

Entenda o motivo do refinanciamento de dívidas pessoais ser essencial em 2023.

10/08/2022 09:20:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Poer das famílias: consumidores esperam refinanciamento de dívidas

 Proer das famílias: consumidores endividados aguardam refinanciamento de dívidas Pexels

O endividamento das famílias brasileiras tem crescido desde o início da pandemia de Covid-19. Em 2023, os consumidores vão precisar de algum tipo de refinanciamento de dívidas pessoais, uma espécie de  Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (Proer) das famílias para que a situação não piore.

Segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada nesta semana, um a cada quatro brasileiros não consegue pagar todas as dívidas no mês.

O Proer foi adotado após o Plano Real para evitar uma quebradeira em cadeia dos bancos no país. 

Nesse sentido, também há o Programa de Recuperação Fiscal (Refis) , para refinanciamento de dívidas tributárias ou não tributárias de pessoas físicas ou jurídicas para com a União ou a Receita Federal.

A economia não se recupera com milhões de devedores. Afinal, quem deve, compra somente os produtos mais essenciais, como alimentos. E reduz, a cada ida ao supermercado, os itens colocados no carrinho. 

A pesquisa tem outras constatações terríveis, como a que 34% atrasaram a conta de luz e de água, dois itens fundamentais para a subsistência.

Deixar algumas contas para o próximo mês, usar o cheque especial, pagar o mínimo no cartão de crédito –afundando no perigoso rotativo– e recorrer a empréstimos ou ajudas para pagar os boletos são práticas que compõem um cenário lamentável de endividamento.

Como a inflação anual ainda está em dois dígitos, apesar da deflação em julho (devido às desonerações de impostos dos combustíveis e da energia elétrica), até o fato de 44% contarem que conseguem pagar as contas, mas sem sobra de dinheiro, representa grave ameaça. 

A renda familiar não aumenta, então esse aperto pode virar dívida ou incapacidade de comprar o essencial à vida.

A esperança dos que responderam à pesquisa, contudo, é explicável, porque eleições podem trazer novos rumos para a economia. Mudanças terão de vir para que ossos, pele de frango, soro de leite, arroz e feijão quebrados, e refeições canceladas virem somente uma triste lembrança de dias muito difíceis.

A recuperação da economia passará, obrigatoriamente, pelo prato. Sem segurança alimentar, não haverá espaço para retomar o consumo de outros itens. Não adianta colocar a culpa na pandemia de coronavírus, na invasão da Ucrânia e na disparada dos preços das commodities.

Análise de culpados pela crise não soluciona as despensas vazias Brasil afora. Segurança alimentar tem de ser o primeiro compromisso de quem pretende governar o Brasil nos próximos quatro anos.

Fonte: com informações da Folha

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.