x

APOSENTAR

Ranking global mostra que Brasil é o segundo pior lugar para se aposentar

Ranking global contou com a participação de 44 países.

13/09/2022 16:00:02

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Brasil é o segundo pior lugar para se aposentar, segundo ranking global

Ranking global mostra que Brasil é o segundo pior lugar para se aposentar Foto: Pedro França/Agência Senado

Em ranking global com 44 países, o Brasil apareceu como segundo pior lugar para se aposentar, ficando atrás apenas da Índia.

O relatório é realizado pela consultoria de investimentos Natixis, que cruza diferentes dados relativos à saúde, qualidade de vida, inflação e bens materiais para chegar ao resultado final.

Por outro lado, os melhores locais para se aposentar, segundo o índice, são Noruega, Suíça, Islândia, Irlanda e Austrália. O primeiro país das Américas a aparecer no ranking, o Canadá, ocupa a 15ª posição; entre os latinos, o Chile aparece em 34º.

O índice avalia países integrantes de blocos econômicos como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e os BRICS, do qual o Brasil faz parte.

Entre os 18 indicadores de performance, o relatório dá destaque para a inflação, que tem batido recordes de mais de 40 anos em alguns países.

“Custos crescentes podem representar uma ameaça significativa para a segurança dos aposentados por erosão do poder aquisitivo. Institucionalmente, os investidores serão desafiados a preservar os ativos de forma mais volátil no ambiente de investimento”, diz a análise feita pelo próprio relatório.

Em termos geracionais, também há destaque para a aposentadoria dos “baby boomers”, nascidos entre 1945 e 1964, e da pressão sobre os sistemas de pensão, que devem sofrer um “teste de pressão como nunca antes”.

No Brasil, a pior nota foi atribuída ao acúmulo de bens materiais. Os países lativos que apareceram na pesquisa estão todos entre os dez piores locais quando o assunto é a quantidade de bens materiais na fase idos. Entre eles, o Brasil é o pior.

Os fatores de pressão para a nota ruim nesta categoria são cumulativos, e consideram a igualdade salarial no país, a renda per capita e a taxa de desemprego.

O país também aparece em penúltimo, perdendo para a Rússia, para a análise do valor da aposentadoria média obtida. Este requisito, além da inflação, considera a dependência financeira da aposentadoria na terceira idade, o endividamento do governo e as políticas públicas voltadas para a aposentadoria, entre outros.

Quando se considera a pressão da população mais velha sobre a economia, porém, o Brasil aparece em quinto lugar.

Para investidores na previdência, o maior erro é subestimar a inflação. O índice também aponta os dez maiores erros para aqueles que investem a fim de assegurar um futuro mais tranquilo.

O maior deles é não considerar as perdas sofridas com a inflação, seguido por subestimar, também, a própria longevidade.

Em terceiro lugar, aparece o cuidado para não aumentar muito os valores aplicados periodicamente, bem como ser muito conservador para a aposentadoria e esperar retornos "não realistas" dos investimentos feitos. 

Veja ranking completo do índice de melhores países para se aposentar

  1. Noruega
  2. Suíça
  3. Islândia
  4. Irlanda
  5. Austrália
  6. Nova Zelândia
  7. Luxemburgo
  8. Holanda
  9. Dinamarca
  10. República Tcheca
  11. Alemanha
  12. Finlândia
  13. Suécia
  14. Áustria
  15. Canadá
  16. Israel
  17. Coreia do Sul
  18. Estados Unidos
  19. Reino Unido
  20. Bélgica
  21. Eslovênia
  22.  Japão
  23. Malta
  24. França
  25. Estônia
  26. Polônia
  27. Cingapura
  28. Portugal
  29. Chipre
  30. Eslováquia
  31. Itália
  32. Hungria
  33. Lituânia
  34. Chile
  35. Letônia
  36. México
  37. Rússia
  38. Espanha
  39. China
  40. Grécia
  41. Turquia
  42. Colômbia
  43. Brasil
  44. Índia

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.