x

Investimentos

Taxa de corretagem de investidores deve ser zeradas em mais bancos; entenda

Depois do maior banco privado do Brasil ter anunciado isenção de taxas para corretagem, especialistas acreditam que outras instituições financeiras seguirão o mesmo passo.

11/10/2022 15:00:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Mais bancos devem isentar investidores de taxa de corretagem

Taxa de corretagem de investidores deve ser zeradas em mais bancos; entenda Pexels

A ofensiva do Itaú Unibanco de cortar as taxas de corretagem nas ordens de ações e fundos de índice nos canais digitais é um contra-ataque às plataformas independentes, que aboliram a cobrança há bastante tempo. Analistas afirmam que essa é a tendência da indústria, e que o Itaú se posiciona “atrasado”. 

De qualquer forma, o movimento do maior banco do País elevou a pressão para os rivais seguirem o movimento, aponta o professor de Finanças da escola de negócios Ibmec, Cristiano Corrêa.

“Todos que quiserem concorrer neste mercado, é questão de sobrevivência isentar estas taxas”, diz. 

O professor destaca que o potencial de crescimento do mercado de investimentos no Brasil ainda é alto, e por isso que a corrida é acirrada. “Este passo do Itaú deve forçar os outros grandes a ‘descer para o playground’.”

Os bancos e plataformas estão em uma disputa para atrair clientes. “Esse movimento do Itaú o leva de volta ao mercado de investimentos depois de várias empresas terem feito isso para ganhar território”, diz o CEO da Box Asset Management, Fabrício Gonçalvez.

Para os investidores, a oferta de corretagem zero não é novidade. A Clear, do grupo XP Inc., por exemplo, adota a prática desde 2018. A empresa diz que, entre janeiro e agosto deste ano, os clientes deixaram de gastar R$ 50 milhões com a taxa. A Rico, também da XP, zerou taxas em 2020.

No modelo em que o Itaú opera agora, a Nu Invest oferece isenção para as operações de ações, BDRs, ETFs e opções nos investimentos feitos pelo aplicativo e pelo portal. C6 Bank e Inter têm o mesmo formato. Toro, Órama, Warren e Genial dizem que investimentos feitos pelo home broker têm corretagem zero.

Clientes da XP pagam taxas de R$ 2,90 por ordem no day trade (curtíssimo prazo) e R$ 4,90 no swing trade (curto prazo). Na Ágora, a corretagem é de R$ 2,50 e R$ 4,50, respectivamente. No BTG Pactual, a cobrança no swing trade diminui conforme o número de operações.

Fonte: Estadão

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.