x

RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

Dívidas em atraso poderão ser negociadas em Novo Mutirão com bancos e instituições financeiras

Descontos e prazos especiais para pagamento das dívidas farão parte das negociações.

24/02/2023 16:00:15

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Novo Mutirão permite renegociação de dívidas em atraso

 Dívidas em atraso poderão ser negociadas em Novo Mutirão com bancos e instituições financeiras

No próximo mês, os consumidores poderão renegociar suas dívidas com os bancos através do Mutirão de Negociação e Orientação Financeira, promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em parceria com o Banco Central do Brasil, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) e Procons de todo o país. 

As negociações contarão com descontos e prazos especiais, ficando a critério de cada instituição as regras e condições que serão ofertadas. O mutirão acontece entre os dias 1º e 31 de março.

Podem ser renegociadas pendências financeiras no cartão de crédito, cheque especial, crédito consignado e demais modalidades de crédito em atraso com bancos ou financeiras, exceto aquelas que tenham bens dados em garantia, como veículos e imóveis.

Na última iniciativa, que aconteceu em novembro do ano passado, 2,3 milhões de contratos foram renegociados no país. Em 2022, o número de famílias brasileiras endividadas bateu recorde, com parcela de 77,9% de famílias se declarando endividadas na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) anual divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O consumidor que deseja quitar suas dívidas pode fazer a negociação diretamente com o banco ou financeira, usando os canais oficiais da instituição ou através do portal Consumidor.Gov.Br, no qual o usuário acessa por meio de sua conta prata ou ouro. 

No portal, é possível encontrar a instituição de seu interesse e abrir um pedido de negociação. Ao se comunicar com o banco, é necessário informar a dívida que pretende quitar e perguntar quais são as condições oferecidas para a sua quitação. Se concordar com o que foi proposto, um acordo de negociação será assinado. Este é um momento decisivo. Caso não concorde, o cliente pode fazer contrapostas até chegar a um valor que caiba no seu bolso.

No portal também é possível encontrar vídeos que mostram o passo a passo de como acessar o portal na página do Mutirão Nacional, criada para orientar o consumidor sobre como participar da campanha. 

Na mesma página, também encontra-se conteúdos exclusivos sobre orientação financeira e acesso a outros canais, como o Registrato, sistema do Banco Central por meio do qual é permitido acesso, entre outros, ao Relatório de Empréstimos e Financiamentos (SCR), que contém a lista de dívidas em nome do consumidor perante as instituições financeiras.

Consulta de todas as dívidas

Ao acessar a plataforma Registrato, do Banco Central, o consumidor pode consultar, de forma gratuita, empréstimos e financiamentos existentes em seu nome, além de outras informações de seu relacionamento com as instituições financeiras, como conta corrente, investimentos e chaves Pix.

Também é possível aproveitar uma das planilhas gratuitas disponíveis no portal Meu Bolso em Dia para descobrir o valor com que poderá contar para pagar suas dívidas. As planilhas  já vêm prontas, com as fórmulas de cálculos feitas. Basta inserir as entradas e saídas de dinheiro para ter um raio X das finanças.

Segundo o diretor executivo de Cidadania Financeira da Febraban, Amaury Oliva, a renegociação das dívidas costuma ocorrer por meio de alongamento de prazos, redução de taxas, alteração nas condições de pagamento, obtenção de recursos adicionais ou, ainda, a migração para outras modalidades de crédito mais baratas.

Leia mais: Registrato: a partir de março acesso ao sistema será feito com conta do Portal Gov.br

Com informações Gov.br

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.