x

IGUALDADE DE GÊNERO

Igualdade de gênero: paridade salarial é ação mais importante no mundo corporativo

Pesquisa mostra que 43% dos executivos entrevistados citaram a relevância da medida no mercado de trabalho.

08/03/2023 14:00:03

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Dia da Mulher: paridade salarial é ato mais importante

Igualdade de gênero: paridade salarial é ação mais importante no mundo corporativo

A paridade salarial lidera a lista das medidas apontadas como a mais importante para a promoção da igualdade de gênero no ambiente corporativo, de acordo com a avaliação de executivos da indústria.

A conclusão integra um estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira (8).

De acordo com a entidade, 43% dos entrevistados citaram a paridade salarial como a primeira ou a segunda ação mais importante para a igualdade de gênero no trabalho.

A formação de programas que estimulem a ocupação de cargos de chefia por mulheres aparece posteriormente, lembrada por 26% dos executivos.

Vem na sequência políticas para proibir a discriminação de gênero (25%) e programas de qualificação de mulheres para desenvolvimeto profissional (25%).

A pesquisa ouviu 1.000 executivos industriais, dos quais 40% são mulheres.

A paridade salarial voltou ao centro de debates na semana passada. Entre as discussões está a apresentação de um projeto de lei que garantirá remuneração igual a homens e mulheres que exerçam a mesma função.

Segundo a pesquisa da CNI, de cada dez indústrias entrevistadas, seis contam com programas ou políticas de promoção de igualdade de gênero.

O levantamento foi realizado nas cinco regiões do país com representantes de negócios de pequeno, médio e grande porte.

Das políticas de gênero já adotadas nas indústrias, as mais citadas foram apoio ao retorno ao trabalho das mulheres após o término da licença-maternidade (81%) e paridade salarial (77%).

O principal obstáculo para a promoção da igualdade de gênero nas empresas, segundo a pesquisa, é o preconceito. Esse obstáculo foi citado por 21% dos entrevistados.

A cultura machista aparece em segundo lugar (17%). Por outro lado, 14% dos executivos ouvidos disseram não ver barreiras.

O levantamento também investigou se as indústrias contam com áreas específicas para a promoção da igualdade de gênero. Apenas 14% afirmaram manter divisões para o tema. Somente 5% apresentam orçamento próprio para a área.

Com informações da Folha de S. Paulo

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.