x

JUROS

Brasil é campeão em juros reais: entenda o que isso significa e o impacto na economia

Pesquisa realizada pela gestora Infinity Asset Management revela que país ocupa pela quarta vez o primeiro lugar no ranking mundial.

10/03/2023 15:30:07

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Brasil ocupa 1º lugar em ranking de juros reais

Brasil é campeão em juros reais: entenda o que isso significa e o impacto na economia

De acordo com uma pesquisa elaborada pela gestora Infinity Asset Management, que acompanha um grupo das 40 principais economias globais, o Brasil ocupa o primeiro lugar no ranking de juros reais mais altos do mundo.

Para especialistas, a atual meta de inflação do país, somada às expectativas de gastos por parte do novo governo explicam a continuidade de uma Selic maior.

“A sinalização do início do corte [dos juros] já estava programada para o meio do ano. Só que aí vem o papel do governo, que tem o potencial de desancorar as expectativas ao emitir sinais ruins fiscais. A permanência da taxa não é um efeito de política monetária, nem de inflação, é um efeito de deterioração de expectativas e o governo deve gerenciar isso”, afirma Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset.

Os juros reais são a taxa de juros corrente descontada a inflação. Em fevereiro, eles ficaram em 7,4% em fevereiro no Brasil, depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) manteve a Selic em 13,75%, o maior nível desde 2016.

O comentarista de Economia da CNN, Aod Cunha, explica que as sinalizações do governo são importantes para facilitar o trabalho do BC de reduzir a taxa Selic. Para o economista, algo que ajudaria a dar início ao arrefecimento da taxa seria uma política fiscal clara.

“Política fiscal objetiva, uma âncora ou um regramento fiscal objetivo que sinalize, não só uma meta para o controle da dívida, mas um tipo de controle para o crescimento do gasto público. Se o governo fizer isso de maneira clara e objetiva, vai abrir espaço natural para uma redução da taxa de juros”.

O economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, também leva em consideração as perspectivas com relação à política fiscal brasileira e a maneira como tem sido conduzida ao longo dos anos. A partir de um quadro de política expansionista, no sentido de aumento de gastos, a política monetária do BC tem sua eficiência “minada”, causando assim uma necessidade maior de permanecer com taxas de juros mais altas por mais tempo.

“Temos no Brasil uma política fiscal que é sempre expansionista pelo lado do custeio, nunca pelo lado do investimento. Se fosse pelo lado do investimento seria bom, pois teríamos retornos em médio e longo prazos. Como sempre é pelo lado do custeio, significa que o governo sempre gasta muito e gasta mal. Essa expansão fiscal vai minando a eficiência da política monetária do BC”.

Juros reais em outros países

A lista dos maiores juros reais é liderada por outros países latinos que vêm logo na sequência do Brasil: no México, a taxa descontada da inflação está em 5,5%, no Chile é 4,7% e, na Colômbia, 3%.

Já é o quarto levantamento em que o Brasil se mantém na dianteira dos juros reais globais, de acordo com a Infinity, que renova o ranking a cada reunião do Copom. Os encontros são realizados a cada 45 dias com o presidente e os diretores do BC para definir a taxa Selic.

Crédito

Em sua última reunião, o Comitê de Estabilidade Financeira (Comef), órgão do Banco Central, destacou a questão dos juros no país na avaliação do cenário econômico e financeiro.

O Comef apontou que houve desaceleração no ritmo de concessão de crédito tanto para empresas como para o consumidor pessoa física. O dinheiro mais caro, com juros subindo para o cliente, diz o Comitê, apesar de a taxa Selic estacionada desde agosto do ano passado em 13,75%, também faz com que as instituições fiquem mais criteriosas para a concessão de crédito.

Aod Cunha avalia que a continuidade do atual patamar da taxa de juros deve gerar uma situação desafiadora no mercado de crédito.

“A permanência de uma taxa elevada, o prolongamento dessa taxa, evidentemente, em algum momento, iria gerar uma situação de restrição de crédito mais aguda. Precisamos reduzir a taxa de juros. Precisa ser feito de maneira correta, para que uma redução mal feita depois não nos leve a uma subida adicional de juros e uma restrição de crédito maior”, explica.

Em relatório enviado aos clientes nesta semana, a consultoria Verde Asset apontou que existem sinais incipientes de uma possível crise de crédito atingindo a economia brasileira e que, por isso, será necessário “boas políticas públicas” para administrar a situação.

Na vida prática das empresas, os juros altos indicam a necessidade de se ter mais dinheiro para pagar dívidas, muitas vezes, contraídas num cenário em que a taxa estava perto da mínima, como era em 2021.

Com informações CNN

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.