x

ORGANIZAÇÕES AUTÔNOMAS DESCENTRALIZ

DAOs: como a Blockchain está mudando as organizações

Entenda o papel inovador das DAOs na era do blockchain e como elas podem transformar o futuro das instituições financeiras e empresariais.

09/06/2023 12:00:04

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
 DAOs: o futuro das organizações na era Blockchain

DAOs: como a Blockchain está mudando as organizações

À medida que as criptomoedas e a tecnologia blockchain se consolidam, emerge uma nova estrutura organizacional: a DAO, sigla para Organização Autônoma Descentralizada. Esse modelo de negócio, totalmente inovador, permite que um grupo de pessoas com metas alinhadas invista em empresas autônomas e descentralizadas, eliminando a necessidade de supervisores ou proprietários.

DAOs: o futuro das organizações?

Uma DAO é, fundamentalmente, uma organização que opera segundo um conjunto de regras automatizadas. O conceito chave aqui é "autônomo": essas organizações funcionam sem a necessidade de supervisão humana. Os usuários, ou melhor, os investidores, são os que detêm o poder de votar e propor alterações e novos projetos.

O que distingue as DAOs das empresas convencionais é a ausência de hierarquia. Todos os investidores têm o direito de votar em questões organizacionais, um direito garantido por tokens de governança que podem ser adquiridos por qualquer pessoa.

Blockchain e contratos inteligentes

As DAOs operam em plataformas de blockchain, geralmente na Ethereum, utilizando contratos inteligentes. Estes garantem que as regras da organização sejam cumpridas, oferecendo segurança e transparência para todos os investidores.

Essas organizações podem servir a uma ampla gama de propósitos, desde o apoio e doação para causas sociais e ONGs, até a aquisição e utilização de ativos de maneira compartilhada, ou mesmo financiamento e investimento em empreendimentos e softwares.

Um mundo sem supervisores

As DAOs funcionam de maneira autônoma, graças aos contratos inteligentes que programam suas operações. Por exemplo, uma DAO criada para financiar um projeto agrícola automatizado. A fazenda funciona com sensores de temperatura, irrigadores automáticos, e produtos de controle de pragas. Todos esses processos estão pré-programados, eliminando a necessidade de intervenção humana.

Em uma DAO, todas as decisões são tomadas coletivamente. Cada membro com tokens de governança tem o direito de votar. Se a organização precisa encontrar um novo fornecedor ou escolher um novo cultivo, a decisão é tomada em conjunto.

A diferença entre uma DAO e uma organização tradicional é marcante. Enquanto as DAOs são normalmente democráticas e baseadas em decisões coletivas, as organizações tradicionais costumam ser hierárquicas, com decisões tomadas por um indivíduo ou grupo exclusivo.

DAOs na prática

As DAOs não são apenas teoria; existem várias operando atualmente. Algumas das mais notáveis incluem a Uniswap, um protocolo de troca descentralizada (DEX) que atua como uma corretora para compra e venda de criptomoedas, e a MakerDAO, que foi a primeira organização autônoma a operar com apoio da Ethereum para emissão de empréstimos.

 

Desafios de segurança

Apesar dos benefícios evidentes das DAOs, a segurança é uma preocupação importante. A primeira DAO blockchain, conhecida como The DAO, foi hackeada em 2016, resultando na perda de um terço de seus fundos, cerca de 50 milhões de dólares. Apesar de os fundos terem sido recuperados, o incidente gerou desconfiança e levou a uma divisão do blockchain Ethereum.

Rumo ao futuro

Apesar dos desafios, a DAO é uma revolução organizacional. Ela tem o potencial de estimular o surgimento de instituições inovadoras e tecnológicas em vários setores da economia, além de promover uma governança mais democrática. No entanto, será necessário mais tempo e experiência para determinar se as DAOs são, de fato, o futuro das organizações.

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.