x

QUEDA NO IPCA

Inflação registra primeira queda em 2023 e índice varia de 1,11% a 4,44% nas capitais brasileiras

Anúncio foi feito nesta terça-feira (11). Inflação não sofria queda desde setembro do ano passado.

12/07/2023 10:30:05

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Inflação tem primeira queda em 2023; veja índice nas capitais

 Inflação registra primeira queda em 2023 e índice varia de 1,11% a 4,44% nas capitais brasileiras pxhere/rawpixel

Pela primeira vez em dez meses, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial no país, sofreu queda de 0,08% em junho, segundo dados divulgados nesta terça-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que a queda já era esperada e aguarda mais notícias positivas na economia em agosto, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. O Copom deverá definir o novo valor da taxa Selic na ocasião.

Com o resultado, a inflação acumulada nos últimos 12 meses é de 3,16%. É a menor variação nesse recorte desde setembro de 2020 (3,14%).

Avaliando algumas das capitais brasileiras, 11 das 16 analisadas ficaram abaixo do índice no acumulado deste um ano. 

A menor alta foi registrada em São Luís: 1,11%. Goiânia teve a segunda variação menos intensa, de 1,30%. Curitiba (2,07%), Fortaleza (2,13%) e Campo Grande (2,43%) aparecem em seguida.

Já São Paulo, por sua vez, acumulou a maior alta até junho, de 4,44%, apesar da trajetória de trégua –a alta era de 5,08% até maio.

O cenário mostra diferenças em relação a um ano atrás. Em junho de 2022, o IPCA acumulado estava acima de 10% em 15 das 16 capitais e regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE.

A maior alta à época era de Curitiba (14,24%), seguida pelas variações de Salvador (13,41%), Goiânia (12,36%) e Aracaju (12,36%). Belém (9,55%) era a única metrópole com inflação abaixo de 10% à época.

Segundo analistas, o resultado está associado a fatores como a perda de força da inflação dos alimentos em um cenário de oferta maior, além da queda artificial dos preços de combustíveis com a desoneração de impostos.

Economistas avaliam que o IPCA acumulado deve ficar em um patamar acima de 4% até o final do ano. Em parte, essa projeção está associada à base de comparação, com a saída do cálculo dos 12 meses dos efeitos da desoneração vista no segundo semestre de 2022.

IPCA acumulado em 12 meses

Confira o acumulado do IPCA de junho de 2022 a junho de 2023.

São Paulo

4,44%

Vitória

3,76%

Brasília

3,24%

Belém

3,13%

Rio de Janeiro

3,03%

Aracaju

2,76%

Salvador

2,7%

Rio Branco

2,62%

Porto Alegre

2,58%

Belo Horizonte

2,54%

Recife

2,47%

Campo Grande

2,43%

Fortaleza

2,13%

Curitiba

2,07%

Goiânia

1,3%

São Luís

1,11%

Com informações Folha de S Paulo

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.