x

PME

Veja como saber se um pequeno negócio pode virar uma franquia

Confira quais os pontos necessários para atrair possíveis franqueados.

09/01/2024 12:00:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Um pequeno negócio pode virar uma franquia?

Veja como saber se um pequeno negócio pode virar uma franquia

Se a empresa está caminhando bem e o empresário tem interesse em abrir novas unidades para crescer, optar pela ampliação por meio de franchising pode fazer com que os custos sejam diluídos com os franqueados, mas a criação de uma franquia demanda uma avaliação criteriosa do negócio, tornando-se um processo extenso e robusto e que demanda preparo. 

Dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF) indicam que o Brasil é o quinto país em quantidade de redes de franquia no mundo. Em 2022, esse mercado registrou crescimento de 14,3%, movimentando mais de R$ 211 bilhões. Com cerca de 1,5 milhão de trabalhadores diretos, o Franchising contou ainda com a expansão de 7,8% em suas unidades, totalizando 189 mil pontos de venda de franquias distribuídos por todo o país, ligados a mais de 3 mil redes em operação.

Antes disso, tudo irá depender do que for fechado em contrato entre as partes, mas, em resumo, valores como taxa de franquia, royalties e custos com o ponto físico são cobrados diretamente do comprador.

Primeiramente, antes de abrir franquias, é preciso avaliar quanto de retorno líquido, lucro, a empresa está conseguindo. Se a operação se pagar, mas não sobrar muito dinheiro para o bolso dos sócios, é provável que ela não seja atrativa.

A analista da Unidade de Competitividade do Sebrae, Karen Sitta, explica que abrir se tornar uma franquia é uma opção para aquela empresa que deseja expandir o seu empreendimento, já possui um modelo consolidado, com potencial de crescimento e está pronto para escalar. Segundo ela, normalmente, quem quer iniciar o processo de formatação da franquia para se tornar um franqueador, deve avaliar se o seu negócio é franqueável, se tem um modelo testado, bem-sucedido, se tem um diferencial competitivo, além de estar decidido a expandir a sua marca para uso de unidades franqueadas.

A empresa, ao se tornar uma franquia, passa a integrar um novo modelo de negócio, já que, enquanto todas as operações eram próprias, ao abrir uma franqueadora, a dinâmica muda. Por exemplo, contratar consultorias para que possam modelar o franchising dentro da empresa é uma prática comum.

“O desafio de se tornar um franqueador é muito maior do que de se tornar um franqueado, que vai adquirir o direito de uso de uma marca já estabelecida. A formatação de uma franquia deve ser realizada com atenção e preparo, sendo recomendada orientação e acompanhamento de especialistas ”, alerta a analista.

Além disso, para evitar as chances de erros por parte dos franqueados, o empreendimento precisa também estar evoluído, ou seja, já carregar um tempo de estruturação básica e partir para uma operação que consiga girar com menos dificuldades.

É importante ainda reforçar que, ao abrir uma franquia, o trabalho também irá aumentar, já que haverá uma necessidade alta de treinamentos, ensino de práticas de gestão, assistência em relação a produtos, dentre tantos outros.

Karen Sitta acrescenta que o empresário ou empresária ao decidir franquear deve, primeiramente, conhecer os princípios básicos do sistema de Franchising, saber o que é uma franquia, quais são os atores envolvidos neste processo de formatação, conhecer a legislação, tipos de franquias existentes, vantagens, desvantagens e principalmente como manter um bom relacionamento com sua rede de franqueados, tendo em vista que a atuação será em rede.

“Recomenda-se ainda que esse empreendedor analise o seu perfil como empresário, se sabe lidar e dividir responsabilidades, pois seu papel como franqueador inclui relacionamento com os franqueados e verifique se o seu negócio atende alguns requisitos básicos como a necessidade de ter capital para investimento, ter o registro da marca, possuir um modelo de negócio testado, ter controle administrativo -financeiro, saber liderar e dividir responsabilidades, Também precisa analisar se o negócio atende a alguns requisitos básicos, como ter capital para investimento”, pontua.

Por fim, um outro ponto que deve ser levado em consideração é se o negócio a ser franqueado é replicável, isto é, se é possível ensinar as práticas da marca para terceiros e, por meio disso, conseguir atingir bons resultados em diferentes mercados.

Com informações do Sebrae

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.