x

SP amplia Nota Fiscal Paulista para contas de serviços públicos e atacado

SP amplia Nota Fiscal Paulista para contas de serviços públicos e atacado PUBLICIDADE A Assembléia Legislativa de São Paulo

06/03/2009 00:00:00

4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

SP amplia Nota Fiscal Paulista para contas de serviços públicos e atacado

PUBLICIDADE

A Assembléia Legislativa de São Paulo aprovou na noite de ontem o projeto de lei que amplia o número de beneficiados com o programa da Nota Fiscal Paulista e os meios de receber os créditos.


O projeto oferece créditos para desconto o IPVA ou devolve (na conta corrente, poupança ou cartão de crédito) 30% do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pago pelos comerciantes. Para isso, o consumidor deve informar o CPF ou CNPJ no momento da compra --é possível transferir os créditos para outra pessoa.


Agora, a partir da sanção da lei pelo governador de São Paulo, José Serra, todas as microempresas --com faturamento de até R$ 240 mil anuais-- terão direito à devolução, em dinheiro, do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) pago nas compras feitas na indústria e no atacado. Atualmente, o programa só se aplica às operações de varejo.


Essa decisão, segundo o governo de São Paulo, deverá trazer uma renúncia fiscal de aproximadamente R$ 350 milhões anuais e beneficiará cerca de 516 mil empresas.


Já as multas para as empresas que omitem ou não transmitem a Nota Fiscal Paulista serão reduzidas conforme o tamanho da empresa, o número de autuações e prazo do pagamento.


Além disso, os créditos obtidos pela Nota Fiscal Paulista poderão ser abatidos em contas de serviços de concessão pública --como a conta de água, luz, telefone, entre outros. Para poder oferecer essa facilidade a seu cliente, a empresa concessionária deverá estabelecer um acordo com a Secretaria da Fazenda. Os consumidores também poderão receber créditos em compras realizadas em estabelecimentos atacadistas.


Para os consumidores que não quiserem informar o CPF no momento da compra, a nova lei permite a ele pedir a nota entregá-la a uma entidade de assistência social ou entidade sem fins lucrativos da área de saúde para que esta ganhe os créditos correspondentes.


Os sorteios mensal de prêmios --que devem passar dos R$ 140 milhões ao longo do ano-- também sofreram alterações. Entidades sem fins lucrativos da área de saúde e condomínios poderão participar --até agora, só consumidores e entidades de assistência social podiam receber os prêmios.


Por fim, os créditos, que hoje são pagos semestralmente, sofrerão uma redução de prazos. O plano é diminuir o tempo para a entrega dos créditos até que se torne mensal.


Segundo a Secretaria da Fazenda, essa lei ainda precisará de regulamentação, mas a maioria das novidades deve entrar em vigor ainda no primeiro semestre.


Cadastro e recebimento


De acordo com a legislação que criou a Nota Fiscal Paulista, os créditos concedidos no primeiro semestre do ano podem ser resgatados a partir de outubro do mesmo ano. Os créditos do segundo semestre a partir de abril do ano seguinte.


Para utilizá-los, o consumidor deve acessar o sistema da NFP (http://www.nfp.fazenda.sp.gov.br), mediante senha, selecionar a opção "conta corrente" e seguir as instruções na tela. O cadastro pode ser feito a qualquer momento --todos os créditos gerados até então serão automaticamente somados.


Hoje, a Nota Fiscal Paulista deve ser emitida em restaurantes e lanchonetes, livrarias, lojas de CDs, óticas, lojas de suprimentos para informática, entre outros estabelecimentos. A lista com todos os setores que já são obrigados a emitir a nota está no site do projeto do governo estadual.


Fonte: Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor




Revista Contábil & Empresarial Fiscolegis, 05 de Março de 2009

Fonte: netlegis

Enviado por: Claudio Rufino

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.