x

Setor de tecnologia da informação quer redução da carga tributária

A redução da carga tributária, tanto em âmbito federal quanto local, é uma das prioridades da nova diretoria da Associação

27/04/2009 00:00:00

1,4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

A redução da carga tributária, tanto em âmbito federal quanto local, é uma das prioridades da nova diretoria da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação-Seção Rio de Janeiro (Assespro/RJ), que toma posse quarta-feira (29) em solenidade na Associação Comercial (ACRJ).

O vice-presidente da Assespro nacional e da seção Rio, Raul Colcher, disse que a associação pretende ampliar a qualidade e a produtividade das pequenas empresas de tecnologia da informação (TI), além de pedir ao governo um tratamento fiscal e tributário mais eqüitativo.

Ele defendeu a redução de tributos para o setor e afirmou que a TI é um insumo de praticamente tudo hoje em dia. "Então, se você onera a TI, toda a cadeia é onerada pelos tributos". A tributação varia de acordo com o produto ou serviço prestado.

Segundo Colcher, a crise internacional não afetou de maneira profunda a área de TI no estado. "As pequenas empresas estão sentindo menos porque têm soluções muito avançadas e porque a tecnologia da informação é um instrumento para você vencer o desafio em momento difícil, de crise, como está ocorrendo agora. Soluções de informática ganham produtividade e, numa hora como essa, se torna muito importante você ganhar qualidade e produtividade nos processos de negócio. E a TI é instrumento para isso".

Considerado um dos pólos do país de tecnologia da informação, o Rio tem uma concentração acadêmica nessa área, com duas instituições de referência. São elas a Universidade Federal do estado (UFRJ) e a Pontifícia Universidade Católica (PUC), que obtiveram nota máxima da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação.

Há também vários centros de pesquisa. "Há uma densidade de prestadores de serviços nessa área, alguns pequenos, mas extremamente avançados em termos de tecnologia, que dão ao Rio uma posição de vanguarda no setor", disse Colcher.

A Assespro/RJ tem cerca de 200 empresas associadas, que representam 10% do total filiado à entidade nacional. Raul Colcher destacou que a concentração de negócios na área de petróleo e gás no estado é um fator de desenvolvimento para as pequenas empresas fluminenses de TI.
"á uma demanda constante e haverá uma demanda muito grande nos próximos anos, em função do plano de negócios anunciado pela Petrobra". Existe no estado um Arranjo Produtivo Local (APL) de micro e pequenas empresas que desenvolve soluções para o setor de petróleo e gás, informou.

Durante a posse da nova diretoria da Assespro/RJ, será divulgado o novo formato do projeto Ecossistema, desenvolvido pela entidade em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O projeto visa ao compartilhamento de oportunidades de negócios para empresas do setor de informática. O Ecossistemas foi implantado há cerca de um ano e agora está sendo institucionalizado, com um portal na internet que deverá ser apresentado nesta semana.

Embora não tenha ainda estatísticas detalhadas sobre o programa, Raul Colcher afirmou que ele tem mostrado resultados positivos, proporcionando oportunidades cruzadas de negócios, sobretudo para as micro e pequenas empresas fluminenses de TI. "Por meio de um associado, ele gera oportunidades para outros associados. É um programa de compartilhamento de oportunidades", explicou.

Fonte: Agência Brasil

Enviado por: Wilson Fernando A. Fortunato

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.