Contábeis o portal da profissão contábil

29
Jul 2016
03:00

Login

entrar lembrar
Cadastre-se Grátis
você está em:

Informações » Artigos

Entendendo a DeSTDA

Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação – DeSTDA.

postado 04/02/2016 08:58:12 - 5.508 acessos

Atualmente muitos profissionais estão com uma certa dificuldade na obrigatoriedade e interpretação legislativa da Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação – DeSTDA. Infelizmente com essa grande carga tributária no país ainda temos que nos deparar com mais uma obrigação, obviamente o contribuinte vai de encontro com o "lado escuro" do mercado.

O que é DeSTDA e, para que serve?

De acordo com o site CDL/BH:

DeSTDA - A nova obrigação tributária serve para os contribuintes optantes pelo Simples Nacional declararem o resultado da apuração mensal do ICMS de suas empresas. Não precisam emitir o documento os microempreendedores individuais (MEI) e os estabelecimentos impedidos de recolher o ICMS pelo Simples Nacional em virtude da empresa ter ultrapassado o sublimite estadual. Instituída em 4 de dezembro, a medida entra em vigor em 1º de janeiro de 2016.

Embora esteja de maneira clara no Ajuste SINIEF 12/2015, para alguns fica confuso o entendimento da cláusula primeira no § 4º, que diz:

I - ICMS retido como Substituto Tributário (operações antecedentes,

concomitantes e subsequentes);

II - ICMS devido em operações com bens ou mercadorias sujeitas ao regime de

antecipação do recolhimento do imposto, nas aquisições em outros Estados e

Distrito Federal;

III - ICMS devido em aquisições em outros Estados e no Distrito Federal de

bens ou mercadorias, não sujeitas ao regime de antecipação do recolhimento

do imposto, relativo à diferença entre a alíquota interna e a interestadual;

IV – ICMS devido nas operações e prestações interestaduais que destinem

bens e serviços a consumidor final não contribuinte do imposto.

Interpretando o inciso I: ICMS retiro por ST nada mais é que o imposto que seu fornecedor paga e inclui no preço de venda para o cliente, obviamente o contribuinte é obrigado a recolher esta guia na condição de contribuinte substituo.

Inciso II: Antecipação do imposto ST. Entendendo as regras com e sem encerramento:

Sem encerramento- Na hipótese em que a antecipação ocorre sem encerramento da fase de tributação é quando o contribuinte aplica o cálculo de diferencial de alíquotas, sendo a diferença da alíquota interestadual para a interna do destino, onde que por sua vez o destinatário tem o direito de se creditar ICMS da alíquota interestadual exposta na aquisição, e debitar em conta escritural o débito referente a diferença.

Com encerramento- a hipótese com encerramento da fase de tributação, é aquela que se cobra por operação com substituição tributária, onde que não é necessário recolhimento posterior do imposto e não apropriação do crédito relativo a este regime.

Incisos III e IV – tratam diretamente ligado a EC 87/2013 e Convênio 93/2015 que dizem a despeito do diferencial de alíquotas a consumidor final, onde que nada mais é que o cálculo de partilha entre estados e, percentual destinado ao Fundo de Combate à Pobreza.

Por fim, as empresas do Simples Nacional deverão cuidadosamente controlar tais operações e informarem na DeSTDA a partir de 01/01/2016, ressalvando o estado do Espírito Santo que está obrigado a entrega em 2017 conforme cláusula décima nona do Ajuste SINEF 12/2015. Lembrando também que contribuintes obrigados a DeSTDA estão dispensados a entrega da GIA-ST e, permanecem obrigados ao cumprimento  das demais obrigações acessórias previstas em legislação.

Copyright © 2016 por Kaík Rodrigues Vieira. Todos os direitos reservados.

Artigo enviado por

Kaik R. VieiraConsultor(a) Contabilidade

Acesse: http://krvconsultor.wix.com/home KRV Assessoria e Consultoria Contábil, Consultor Fiscal/ICMS, Contábil, Trabalhista e Federal, Bacharel em Ciências Contábeis, Cursando Especialização em Administração e Gestão de Empresas – Portal da Educação convênio com Mundial Editora, Cursado em Ass. Contabilidade, Finanças Empresariais, Escrituração Contábil Digital (Sped-ECD), Escrituração Contábil Fiscal(Sped- ECF) e, Escrita Fiscal RICMS/ES. Atuante no mercado contábil há cerca de 9 anos, instrutor prático de escrituração fiscal e contábil, assessor tributário ICMS/ES, freelancer em Consultoria contábil. Especialista em DIRPF e DITR.

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César