Contábeis o portal da profissão contábil

20
Oct 2017
19:44
você está em:

Conteúdo » Notícias

Renúncias fiscais chegam a 4% do PIB e precisam ser reduzidas

As renúncias tributárias no Brasil pularam de 1,7% do PIB em 2007 para cerca de 4% do PIB neste ano, um volume que precisa ser revisto num momento de dificuldades no front fiscal, defende um estudo do Banco Votorantim.

postado 08/05/2017 15:47:27 - 744 acessos

As renúncias tributárias no Brasil pularam de 1,7% do PIB em 2007 para cerca de 4% do PIB neste ano, um volume que precisa ser revisto num momento de dificuldades no front fiscal, defende um estudo do Banco Votorantim. “Muitas das desonerações são polêmicas, regressivas e geram distorções na economia”, afirma o economista-chefe do Votorantim, Roberto Padovani, lembrando que em alguns casos falta transparência, como nas isenções a entidades sem fins lucrativos.

“O crescimento das despesas obrigatórias, associado à demora na retomada da atividade econômica, tem limitado a capacidade de o governo cumprir a meta fiscal em 2017 e nos próximos anos”, observa o documento, elaborado pelo economista Carlos Lopes. Enquanto as desonerações totalizam 4% do PIB, a meta para o resultado primário é um déficit de 2% do PIB. “[Isso] mostra a importância de se reduzir as desonerações e isenções de impostos”, diz o banco, para quem “cresce a necessidade de se rever medidas de renúncia tributária, principalmente aquelas cujos retornos econômicos e sociais não justificam os valores que deixam de ser arrecadados.”

Segundo o relatório, poucos programas e setores respondem pela maior parte das desonerações. “No Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2017, a estimativa de gastos tributários neste ano ficou em R$ 284 bilhões. Em ordem de valor, os principais gastos tributários esperados para o ano são o Simples Nacional, isenções e deduções de Imposto de Renda para Pessoas Físicas (IRPF) , Zona Franca de Manaus, entidades sem fins lucrativos, benefícios para a agricultura e desoneração da folha de pagamentos. Apenas essas desonerações mencionadas correspondem a 75% do total”, diz o texto. Para reduzir esse montante, o governo anunciou em março o fim da desoneração da folha.

Criado em 2006, para reduzir a carga tributária e facilitar o recolhimento de impostos por pequenos e microempresários, o Simples representa a maior desoneração, de R$ 83 bilhões, ou 1,32% do PIB. “Por esse aspecto, uma reforma tributária que racionalizasse e simplificasse o sistema talvez fosse uma solução de melhor qualidade”, aponta o estudo, lembrando ainda que a incidência sobre o faturamento gera distorções. “O principal problema do Simples é o fato de ele substituir tributos que incidem sobre diferentes bases – como o imposto de renda sobre o lucro, cobranças sobre a folha de salários e sobre valor adicionado, como o ICMS – por um imposto sobre o faturamento. Com isso, as empresas que faturam mais, e não necessariamente as mais lucrativas, pagam mais imposto. Ou seja, as empresas que operam com margens elevadas e alta rentabilidade são mais beneficiadas dos que as demais.”

O relatório aponta problemas nas isenções a entidades sem fins lucrativos, nos benefícios para a Zona Franca de Manaus, no Repetro (o regime tributário especial do setor de petróleo) e até mesmo na desoneração dos produtos da cesta básica. “Embora o retorno social seja claro neste caso, reduzindo o custo dos alimentos básicos, a desoneração atinge todos os consumidores, inclusive os de renda mais elevada”, diz o Votorantim. “Em termos absolutos, a população mais rica corresponde a 70% do volume consumido dos produtos da cesta básica.”

Padovani ressalta que, com recursos escassos, é necessário fazer escolhas. “Além de já estar enfrentando o problema da Previdência, a aprovação do teto de gastos torna necessário avaliar se a sociedade realmente deseja abrir mão de gastos em saúde e educação em benefício de programas de desoneração ineficientes, com baixo retorno, regressivos, caros e pouco transparentes”, conclui o estudo.

Fonte: Valor Econômico

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César