x

rescisão

Saiba como calcular uma rescisão de contrato

A rescisão de contrato de um trabalhador celetista pode ocorrer por diversos motivos, como pedido de demissão, término de contrato determinado, justa causa ou acordo entre empregador e empregado.

16/10/2023 17:00:02

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Rescisão de contrato: como calcular?

Saiba como calcular uma rescisão de contrato

A rescisão de contrato de um trabalhador celetista pode ocorrer por diversos motivos, como pedido de demissão, término de contrato determinado, justa causa ou acordo entre empregador e empregado. Independentemente da razão, é importante seguir as regras da legislação trabalhista para evitar futuros problemas para ambas as partes. Neste texto, explicaremos como fazer uma rescisão de contrato de um celetista.

1. Verifique o tipo de rescisão

Antes de iniciar o processo de rescisão, é necessário verificar qual o tipo de rescisão que será realizada: sem justa causa, com justa causa, por acordo entre empregador e empregado ou término de contrato determinado. Cada tipo de rescisão possui regras e procedimentos diferentes.

2. Calcule as verbas rescisórias

Após definir o tipo de rescisão, é necessário calcular as verbas rescisórias que o trabalhador tem direito. As verbas podem incluir o aviso prévio (em caso de rescisão sem justa causa), férias proporcionais, 13º salário proporcional, horas extras, entre outros.

Para o cálculo das verbas rescisórias, é importante ter em mãos informações como o salário base, as horas extras realizadas, os dias de férias não gozados, entre outras informações importantes.

3. Formalize o aviso de rescisão

O aviso de rescisão é um documento que formaliza o término do contrato de trabalho e deve ser entregue ao trabalhador. De acordo com a legislação trabalhista, o aviso prévio deve ser entregue com antecedência mínima de 30 dias, mas pode ser substituído pelo pagamento referente a esse período.

Além disso, é necessário informar o motivo da rescisão e a data em que acontecerá o desligamento do trabalhador.

4. Prepare a documentação para a homologação

Após a formalização do aviso de rescisão, é necessário preparar a documentação necessária para a homologação da rescisão. Essa documentação inclui o Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho (TRCT), a guia do FGTS, a guia de seguro-desemprego (quando aplicável) e as demais verbas rescisórias.

5. Realize a homologação da rescisão

A homologação da rescisão deve ser realizada em um sindicato ou Ministério do Trabalho, onde um representante do empregador e do trabalhador estarão presentes para a assinatura da documentação e para a verificação dos valores devidos e das verbas rescisórias.

Durante a homologação, é importante apresentar toda a documentação exigida e esclarecer eventuais dúvidas do trabalhador. Após a homologação, o trabalhador deverá receber todas as verbas rescisórias em até 10 dias corridos após o término do contrato.

6. Entregue a documentação ao trabalhador

Após a homologação, é necessário entregar ao trabalhador todos os documentos relacionados à rescisão, como o TRCT, a guia do FGTS, a guia de seguro-desemprego (quando aplicável) e as demais verbas rescisórias.

Essa documentação é importante para comprovar as verbas rescisórias devidas ao trabalhador e deve ser guardada pelo empregador por, no mínimo, 5 anos.

Conclusão

Em resumo, para fazer uma rescisão de contrato de um trabalhador celetista é necessário checar o tipo de rescisão, calcular as verbas rescisórias, formalizar o aviso de rescisão, preparar a documentação para a homologação, realizar a homologação e entregar ao trabalhador toda a documentação relacionada à rescisão. Seguir todas as regras da legislação trabalhista é fundamental para evitar problemas futuros para ambas as partes.

Leia mais sobre

O artigo enviado pelo autor, devidamente assinado, não reflete, necessariamente, a opinião institucional do Portal Contábeis.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.