x

DICAS

Área de Saúde: cuidados a serem tomados no planejamento tributário, dicas e aplicações

No que diz respeito ao ramo empresarial relacionado à saúde trataremos alguns tópicos que poderão auxiliar em alguns pontos.

27/05/2022 18:00:01

799 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Área de Saúde: cuidados a serem tomados no planejamento tributário, dicas e aplicações Pexels

A priori este artigo não tem intuito de esgotar o tema, bem como não será tratado sobre aspectos com o departamento pessoal.

Embora seja indiscutível o fato sobre a importância, nota-se que desde o surgimento do vírus da Covid-19 em 2020 a necessidade, que já era grande, aumentou ainda mais na busca de profissionais da saúde.  

Com isso, empresas individuais ou mesmo sociedades empresariais foram constituídas para suprir essa necessidade de mercado.

Porém, é importante frisar que esse ramo de atuação requer alguns cuidados na hora da abrir a empresa, cuidados esses que no momento do planejamento tributário por exemplo acabam passando despercebido e o empresário pode acabar arcando com uma carga tributária excessiva.

Afinal, o que deve se observar então?

Simples Nacional

Levando em conta o regime de Simples Nacional esse tipo de atividade geralmente se enquadra no Anexo V, cuja carga tributária sujeita ao fator “R” se inicia na alíquota 15,50%, mas esse tipo de atividade tem como opção de enquadramento também o Anexo III, cuja carga tributária se inicia na alíquota 6%.

No entanto, o enquadramento ao anexo III deve ser observado a parte com a folha de pagamento, essa que por sua vez para possibilitar essa opção tributária deve corresponder a 28% ou mais das despesas com relação a receita acumulada. Caso menor, a empresa será enquadrada no anexo V. Lembrando que esses enquadramentos são realizados automaticamente pelo sistema do Simples Nacional.

Logo, instruir o empresário a realizar seu pró-labore condizente com a realidade disponível, bem como avaliar a folha de pagamento dos funcionários é um fator determinante no planejamento.

Um ponto importante sobre a folha de pagamento é que muitas entidades utilizam no cálculo o valor da folha apurado em regime de competência, porém equivocado. Pois, a Resolução CGSN nº 140/2018, em seu art. 26, § 1º menciona:

  • Para efeito do disposto no inciso I do caput, considera-se folha de salários, incluídos encargos, o montante pago nos 12 (doze) meses anteriores ao do período de apuração a título de remuneração a pessoas físicas decorrentes do trabalho e de pró-labore, acrescido do montante efetivamente recolhido a título de contribuição patronal previdenciária e para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) . (Lei Complementar nº 123, de 2006, art. 18, § 24)

Em análise totalmente clara, o referido artigo menciona as importâncias efetivamente pagas na competência anterior à apurada, por isso ao se calcular o fator “r” é importante frisar esse ponto.

Lucro Presumido e Real

Embora o Lucro Real seja um regime normatizado na legislação, geralmente, os serviços de saúde são mais comumente enquadrados como Lucro Presumido. Já em relação ao Lucro Presumido a carga tributária tem duas vertentes no que se diz respeito ao Imposto de Renda - IRPJ e a Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido - CSLL.

Já relacionado ao PIS e COFINS segue as alíquotas de regra geral sendo 0,65% e 3% respectivamente. No imposto de renda retido na fonte - IRRF de acordo com o art. 714 do RIR/2018 e Solução de Consulta Cosit nº 06/2014, é devida a retenção de 1,5% as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas dos serviços citados.

Sobre as vias de cálculo do IRPJ e CSLL, utilizando como exemplo os serviços de medicina é possível calcular nos seguintes parâmetros:

A primeira opção é utilizando o cálculo de presunção sobre o faturamento de 32% para apurar a base de cálculo, cuja alíquota efetiva diretamente aplicada é 4,8% para o IRPJ e 2,88% para o CSLL, além do adicional de 10% sobre a base de cálculo. Essa presunção é utilizada em regra geral para empresas de serviços. Pois essas alíquotas para o serviço de medicina são utilizadas sem equiparação à hospitais.

No entanto, há uma segunda opção que tem o benefício de equiparação bem como de redução da carga tributária cuja presunção da base de cálculo resulte num percentual de 8%. Logo, aplicando como alíquota efetiva direta será 1,20% para o IRPJ e 1,08% para o CSLL, além do adicional de 10% sobre a base de cálculo.

Através da análise dessas opções é notadamente que a segunda tem uma economia tributária absurdamente menor. Mas, o que precisa para poder usufruir dessa possibilidade?

Ainda utilizando o exemplo como medicina, é necessário a empresa estar regular com diversos órgãos. Por exemplo essa atividade de medicina deve ser realizada na modalidade de “serviços hospitalares” conforme tema 217 discutido pelo STJ, ainda também sobre o Parecer SEI 7689/2021/ME que versa sobre diversos questionamentos anteriores desde 2010 sobre esses serviços.

Além das atividades hospitalares, que estende por diversos conceitos e classificações, outro requisito para o benefício é a empresa de medicina estar regular perante a ANVISA mediante Licença Sanitária especificando as atividades hospitalares conforme normas do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária.

Logo, ao planejar qual regime tributário será enquadrado é recomendado que se atenha para essas observações e recomenda-se um estudo aprofundado.

Um ponto que é válido a se observar, sobre um dos tópicos anteriores que menciona a redução do IRPJ é que a alíquota efetiva desse será 1,20% como já mencionado, mas ainda antes foi citado que o IRRF será retido pela alíquota de 1,5%. Nota-se aqui que há um saldo credor, dito saldo negativo de IRPJ após esse confronto.

E como fica esse saldo, o que fazer?

Quanto ao saldo após confronto do imposto de renda retido nos serviços tomados com o imposto de renda apurado no trimestre a recolher, poderá ser realizado conforme Solução de Consulta Cosit nº 06/2014 e Arts. 27 e 28 da IN 2.055/2021:

É possível fazer o PER/DCOMP para compensar ou restituir os impostos pagos ou retidos a maior, os procedimentos a seguir dependerão da situação:

  • Compensação/restituição dentro do mesmo ano a compensar no próximo trimestre

O pedido será diretamente pelo PER/DCOMP, após encerramento das obrigações fiscais contábeis, sem a necessidade de evidenciar na ECF.

  • Compensação/restituição de anos anteriores

O procedimento a seguir: primeiro deve-se evidenciar na ECF e após isso fazer o pedido via PER/DCOMP para que seja deferido.

Os procedimentos acima passarão por análise da Receita Federal para liberação do saldo credor. 

Diante os fatos aqui discorridos, se faz presente a importância do planejamento tributário relacionado à área da saúde, bem como se atentar aos cuidados em quais regimes será melhor aplicado, pois muitas empresas desse ramo acabam recolhendo bem mais do que poderia ser possível enquadrar.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.