x
2015-09-16T10:39:22-03:00

FÓRUM CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO PESSOAL E RH

respostas 9.076

acessos 1.042.276

Simples Doméstico *** e-Social

há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 13:41

Pessoal,
Sem querer ser insistente, mas já sendo, rs.
Eu havia entrado em contato com 2 contadores da minha cidade e todos os dois afirmaram que pagam o INSS Patronal (8% INSS+0,8 GILRAT) durante o período que a doméstica está afastada por doença não relacionada ao trabalho.
Porém, ao ler o manual e conforme os colegas me responderam, entendi que o que eu tenho a fazer é zerar a remuneração e não emitir nenhuma guia a pagar durante esse período.
Estou sem saber agora

há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 13:50

Clara, boa tarde!

Eu tenho uma empregada que está afasta por motivo de doença não relacionada ao emprego, e no meu caso eu segui a orientação do manual.
Se você for recolher os 8,8% nesse caso não tem como deixar o salário 0,00, a informação vai ficar errada pois você terá que deixar um valor no evento salário sendo este indevido pois ela está recebendo pelo INSS.

Mas tenta ligar 158 e ver com eles, eu sigo o manual, mas se você esta com duvidas no que fazer tenta ver com eles , acredito que a resposta deles não vai ser diferente da minha pois esta no próprio manual mas ..

Moderador
há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 14:16

Clara,
Pagamento da CPP pelo empregador é só nos casos de salário-maternidade. Talvez esses contadores estejam fazendo essa confusão (embora gravidez não seja doença!).
O Manual está em acordo com a legislação ...

há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 14:23

4.1.3 Empregadas Afastadas pelo Motivo de Licença-Maternidade
Para empregadas domésticas com afastamento por licença-maternidade, o empregador deverá abrir a folha de pagamento, clicar sobre o nome da trabalhadora e incluir a rubrica “eSocial1701 – Salário maternidade (pago pelo INSS) ”. No campo “Valor”, o usuário deverá informar o salário mensal devido à empregada caso estivesse trabalhando.
Embora não seja pago pelo empregador doméstico, o salário maternidade deve ser considerado na base de cálculo do FGTS e da Contribuição Previdenciária Patronal (INSS) .

Conforme o manual o pagamento da Contribuição Previdenciária Patronal só sera recolhida nos casos de licença maternidade conforme o nosso colega Márico Padilha Mello mencionou.

há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 14:39

Márcio Padilha Mello e Aline,
Entendi, acho que é confusão deles mesmo.
Só mais uma pergunta. Esse INSS Patronal no período de afastamento por doença não relacionada ao trabalho nunca foi pago?? Mesmo antes do eSocial? ? Pq pode ser essa confusão, pagava antes e parou de pagar.

há 4 anos Sexta-Feira | 23 setembro 2016 | 15:01

Clara boa tarde.
Nunca foi pago, pois a remuneração fica zerada, no meu caso eu tenho um sistema a parte nele quando lanço aos afastamentos ele já deixa a remuneração zerada quando o empregado fica o mês inteiro afastado, por tanto se o salário fica zerado não tem como pagar CPP.

há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 08:32

Aline bom dia.

Programamos e confirmamos as ferias de uma domestica, porem agora na hora de fechar a folha de pagamento esta dando a seguinte mensagem:

Foi localizado no sistema um evento em duplicidade com o evento a ser enviado, mesmo Tipo de Inscrição, Número de Inscrição, CPF do Trabalhador, Período de Apuração.

MAS LENDO ONTEM A NOITE, A MINHA COLEGA DE TRABALHO AQUI CONSEGUIU RESOLVER O PROBLEMA COLOCANDO A DATA DE PAGAMENTO DO SALARIO COMO 30/09/2016 E NAO 06/10/2016 E DEU CERTO !!!

De qualquer forma, muito obrigada pela sua disposição em nos ajudar.

há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 08:45

Bom dia, estava com o mesmo problema Estela, obrigada por ajudar, só não entendi o porque da data não poder ser no dia correto de pagamento.

" Dividir conhecimento é a melhor forma de multiplicar riquezas"
há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 08:54

Estela Jimenez Machado, bom dia!

Que bom que deu certo, agora o porque ele faz isso é impossivel descobrir.

É a mesma questão da incidência de INSS sobre o aviso prévio indenizado, você verificar no manual 07/2016 ou das versões anteriores na tabela de incidências ele aparece que haverá incidência de INSS sobre o Aviso prévio e 1/12 13º Indenizado, agora na nova versão do manual 09/2016 não incide é claro como há uma discussão muito grande devido a brecha que a lei dá tem se os dois entendimentos, mas é complicado pois não algo concreto a seguir, mas então isso vamos tentando descobrir como corrigir esses erros malucos que ninguém entende rsrs.

há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 11:13

No meu ponto de vista, eles precisam capacitar as pessoas para que ao menos tenhamos um suporte melhor na central 158, pois se dependermos deles não conseguimos fazer nada.

Se reparamos que está encontrando soluções para enfrentar os problemas somos nos mesmo.

há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 11:26

Na verdade Luisa tem o 158, mas como mencionei acima, se dependermos deles não fazemos nada, você liga explica tudo certinho ai a pessoa fala, mas você está fazendo, rescisão, férias ou fechando a folha de pagamento e como a Jessyca falou isso quando eles atendem.

É como não tivéssemos nenhum suporte mesmo, estamos de mãos atadas, nos mesmos que temos que encontrar a solução dos problemas.

Acho que a maioria dos problemas que foram mencionados nesse fórum, e todos foram encontrados uma solução, por isso é importante sempre que tivermos um duvida ou até mesmo uma situação pela qual conseguimos resolver o problema, devemos compartilhar porque assim podemos estar ajudando quem também passou pela mesma situação.

há 4 anos Terça-Feira | 27 setembro 2016 | 11:40

Boa tarde,

Essa é a importância desse fórum: partilha de conhecimento

Atenciosamente,

Marcelo de Sousa

"Enquanto houver vontade de lutar haverá esperança de vencer"
Santo Agostinho
há 4 anos Quarta-Feira | 28 setembro 2016 | 14:36

Boa tarde! Tenho uma cliente que a mae dela é incapaz, precisa contratar pelo esocial uma cuidadora. Como proceder referente a essa situação, observando o seguinte:
- A pessoa que necessita do serviço é incapaz;
- O processo no qual torna a filha como curadora ainda nao foi resolvido;
- A mãe e a filha moram em residencias diferentes.

Quem poderá ser o empregador? preciso esperar o processo sair para proceder com a contratação?

Att,

há 4 anos Quarta-Feira | 28 setembro 2016 | 14:50

Danúbia, boa tarde!

Acredito que nessa situação terá que esperar a sentença final do processo, pois eu entendo da seguinte forma, o correto seria registrar no nome de quem necessita do serviço porém é incapaz, então o correto deveria fazer o registro no nome de uma pessoa que more na mesma residencia, que não é o seu caso.

Aconselho esperar a sentença.

Página 202 de 306
RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.