MOMENTO CONTÁBEIS

Calendário do Esocial alterado|Pequenas empresas gerando empregos|Grandes novidades tecnológicas

Contábeis o portal da profissão contábil

15
Oct 2018
08:27

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Uso de Cameras

1respostas
251acessos
  

Carlos Macedo

Usuário Novo

profissãoAssistente Depto. Pessoal
mensagens3
pontos19
membro desde13/06/2018
cidadeCajamar - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de junho de 2018 às 13:21:56
Boa tarde

Um escritório ( engenharia ) instalou diversas câmeras, não somente nos corredores e entradas, mas câmeras direcionadas a seus colaboradores, a empresa não trabalha com movimentação de dinheiro, mas seus funcionários são monitorados durante todo o tempo, gostaria de saber se isto e permitido, se a CLT fala alguma coisa referente a este assunto, os colaboradores não são informados deste monitoramento no momento da contratação, não assinam nada concordando ou permitindo tal monitoramento, alguém pode me orientar se este procedimento e legal.
Priscila Veiga Barboza

Usuário Frequente

profissãoCoordenador(a) Recursos Humanos
mensagens60
pontos1.791
membro desde19/08/2013
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de junho de 2018 às 16:48:04
Boa tarde Carlos,

Segue um texto que extraí do site https://jus.com.br/artigos/37272/limites-do-monitoramento-de-empregados que pode ajudar:


Está previsto na Constituição Federal que cabe a empresa zelar por um ambiente de trabalho sadio e ecologicamente equilibrado (arts. 200 e 225), o que inclui as boas práticas empresariais quanto ao trato dos direitos de personalidade e direitos fundamentais do ser humano. A Justiça do Trabalho tem aceito de forma restritiva o monitoramento do empregado. O controle da prestação de trabalho realizado de forma invasiva, sem fundamento claro, sem regras prévias e potencialmente discriminatório, pode acarretar responsabilidade às empresas (art. 932, III, do Código Civil, mas também, pela sua negligência em não ter fiscalizado a conduta de seu empregado), bem como o comprometimento da credibilidade institucional de uma marca no mercado, perante seu público e investidores.


O empregador exerce com legitimidade os poderes organizacional, disciplinar e de fiscalização, entretanto, trata-se de um tripé de direitos relativizado por princípios constitucionais que protegem intimidade, integridade física e psíquica, vida privada, honra, imagem, liberdade e igualdade. As faculdades empresariais inerentes à liberdade de iniciativa, como o poder organizacional, disciplinar e de fiscalização do empregador, podem colidir com a salvaguarda de direitos de personalidade do trabalhador, se não houver uma moderação no seu exercício. O monitoramento do trabalhador por meio de e-mails, gravação de ligações telefônicas, audiovisual, em regra, se não houver justificativa plausível, implicará em violação de direitos da personalidade do trabalhador, tais como imagem, voz, intimidade e privacidade, liberdade de expressão e crítica.


Analogamente, admite-se, por uma jurisprudência dominante, gravações sonoras no modelo de negócios de telemarketing. Trata-se de um permissivo excepcional sedimentado na necessidade da atividade empresarial, interpretando-se, nesta hipótese, ser a gravação medida essencial para se registrar as informações decorrentes do relacionamento da empresa e clientes.


Ressalta-se, entretanto, que o banco de dados formado por essas gravações não deve ser acessado aleatoriamente pela empresa. O acesso às gravações deve ser realizado mediante a solicitação do respectivo cliente, em caso de questionamento da prestação de serviços, e/ou mediante ordem judicial.


Outras espécies de monitoramento que podem ser citadas de forma paradigmática para fins de análise daquele proposto pela nova tecnologia inserta na pulseira de medição de produtividade (uma espécie dewearable gadget imposto pelo empregador) são a audiovisual para a segurança do trabalhador e patrimônio da empresa. No monitoramento audiovisual, por exemplo, entende-se desnecessária a habilitação de voz nas câmaras de vídeo e abusivo o controle das conversas dos trabalhadores por câmaras, muito embora a captura de imagens justifique-se em grande parte dos casos como razoável. A necessidade, razoabilidade e proporcionalidade são elementos que devem estar presentes no monitoramento dito lícito.


Em todas as espécies de monitoramento, há que se levar em consideração que na relação contratual entre empregado e empregador, importa observar um elemento essencial: a confiança mútua. A presunção da fidúcia pelo empregador é intrínseca à relação contratual na forma dos princípios da boa-fé e da autonomia da vontade.


O monitoramento provoca tensão, é uma cobrança continua que prejudica e pode abalar o bem estar psíquico, físico e moral do trabalhador, e, por conseguinte, seu desempenho profissional e humano.

Cordialmente,

Priscila Veiga Barboza
Recursos Humanos

1 pessoa aprovou esta mensagem.


Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

POSTS RELACIONADOS

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César