x

Senado

Empresas com mais de 100 funcionários devem oferecer psicólogo

A autora do projeto no Senado destaca que o equilíbrio psicológico pode ser mais um fator de produtividade e satisfação profissional.

07/05/2022 11:00:01

5,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Empresas com mais de 100 funcionários devem oferecer psicólogo Pexels

Tramita no Senado Federal um Projeto de Lei (PL) que prevê que as empresas com 100 ou mais empregados deverão contratar psicólogo para atendimento de seus empregados.

A autora do projeto, senadora Rose de Freitas (MDB-ES) reconhece que a legislação trabalhista possui normas minuciosas sobre medicina e segurança no trabalho, mas afirma que a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) não revela a mesma preocupação em relação aos problemas psicológicos dos empregados.

“Em última instância, podem ser raízes de problemas de saúde e de segurança, seja pelo caráter psicossomático das dificuldades pessoais, seja por desvios de atenção e problemas familiares que possam causar acidentes”, explica a senadora.

De acordo com a autora, empresas modernas já perceberam a vantagem de oferecer atenção psicológica a seus empregados, pois se espera que um ambiente psicologicamente saudável seja mais produtivo. 

“O psicólogo poderá colaborar na alocação correta dos profissionais, permitindo que eles possam atuar com o uso de todo o seu potencial, que, em muitos casos, passa imperceptível aos olhos dos administradores".

Rose de Freitas destaca que a proposta tem caráter preventivo e trata de ações a serem implementadas antes que aconteçam doenças e acidentes. 

Segundo ela, trata-se de conhecer, verdadeiramente, os limites e os potenciais dos empregados. A senadora ressalta que o equilíbrio psicológico pode ser “mais um fator de produtividade e satisfação profissional”.

Com informações da Agência Senado

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.