x

TRABALHISTA

Auxílio-doença: confira mitos e verdade sobre o tema

Entenda quando é possível solicitar o auxílio e as regras do chamado benefício por incapacidade temporária.

26/05/2022 14:30:01

2,9 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Auxílio-doença: confira mitos e verdade sobre o tema Pexels

O benefício por incapacidade temporária, nome oficial do conhecido auxílio-doença, é fornecido pela Previdência Social em algumas situações, após aprovação da perícia do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) .

Entre 2010 e 2020, 39,3 milhões de pedidos de benefícios previdenciários foram recusados, sendo que quase 21 milhões corresponderam ao auxílio-doença, representando 53,2% das solicitações.

A perícia do instituto é muito rigorosa e, em muitos casos, o auxílio é recusado, por isso é importante entender quais as condições do benefício e requisitos para ser contemplado.

Confira alguns mitos e verdades sobre a concessão do benefício por incapacidade temporária, listado pela advogada previdenciária Carla Benedetti a pedido do G1, em colaboração com os advogados Gustavo Escobar e Regina Nakamura Murta.

Toda doença garante o direito ao auxílio?

Mito: o que gera o direito ao benefício é a incapacidade de exercer sua atividade profissional por consequência da doença ou do acidente. 

“A perícia do INSS avalia se as sequelas realmente impossibilitam o segurado de desempenhar suas funções específicas”, reforça Carla Benedetti.

Quem recebe auxílio-doença não pode trabalhar?

Verdade: o segurado em prazo de auxílio-doença não pode exercer atividade remunerada. Se o fizer, o benefício será cancelado desde o retorno à atividade (art. 60 da Lei 8.213/91).

Apenas quem é empregado pode ter o benefício?

Mito: qualquer pessoa que seja segurada tem direito ao auxílio-doença, incluindo empregados CLT, autônomos, empreendedores, facultativos ou contribuintes individuais.

O INSS pode negar o afastamento ou conceder um período inferior ao solicitado

Verdade: a perícia do INSS pode conceder um prazo de afastamento menor do que o recomendado pelo seu médico ou até mesmo negá-lo. “Neste último caso, o segurado pode ingressar com uma ação na Justiça”, diz Carla Benedetti.

Quem não paga INSS pode ter direito ao benefício?

Mito: o auxílio-doença é um benefício da Previdência Social. Sendo assim, apenas os contribuintes têm direito ao auxílio. 

“Vale lembrar que o indivíduo que deixou de contribuir tem ainda o período de aproximadamente um ano como assegurado pela Previdência, podendo receber o benefício dentro deste prazo. Já para pessoas que perderam o emprego, o período é de aproximadamente dois anos”, pontua Carla Benedetti.

Quem recebe o auxílio-doença tem direito a 13º salário

Verdade: de acordo com Escobar, quem recebe auxílio-doença tem direito ao 13º salário pago em duas parcelas, que são depositadas na conta do segurado juntamente com o benefício. O valor é igual ao do benefício, mas proporcional ao número de meses de pagamento no ano.

O único documento necessário para solicitar o auxílio é o atestado médico?

Mito: além dele, é preciso um relatório médico detalhado e todos os exames que comprovam a incapacidade de o segurado trabalhar. Segundo a advogada, com estes documentos, a perícia do INSS irá avaliar o comprometimento da enfermidade, o nível de gravidade e a duração da incapacidade.

Quem recebe auxílio-doença tem direito ao abono salarial (PIS-Pasep)?

Depende: de acordo com Regina Nakamura Murta, sócia responsável pela área trabalhista do Bueno, Mesquita e Advogados, o beneficiário do auxílio-doença terá direito ao abono salarial somente se tiver trabalhado por um período mínimo de 30 dias com carteira assinada no ano-base referência para o pagamento.

Outros requisitos são ter recebido até dois salários mínimos mensais, estar inscrito no PIS-Pasep há pelo menos cinco anos e ter os dados atualizados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) .

Não tem direito ao abono salarial o beneficiário que estiver recebendo o auxílio-doença por mais de um ano.

Com informações G1

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.