x

Burnout

Burnout: 40% das pessoas que trabalham em escritório se sentem esgotadas

A incerteza econômica, o medo de cortes de empregos e a crescente pressão para retornar ao trabalho contribuíram para o aumento de colaboradores com burnout.

17/02/2023 16:30:02

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Burnout supera pico da pandemia nos escritórios

Burnout: 40% das pessoas que trabalham em escritório se sentem esgotadas

Uma pesquisa mostra que o número de colaboradores com burnout, Síndrome do Esgotamento Profissional, superou o pico do registrado durante a pandemia de coronavírus.

Trata-se de um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastante, que demandam muita competitividade ou responsabilidade.

De acordo com uma pesquisa divulgada na quarta-feira pelo Future Forum, um consórcio de pesquisa apoiado pela Salesforce, mais de 40% das pessoas que trabalham em escritório se sentem esgotadas no trabalho.

A incerteza econômica, o medo de cortes de empregos e a crescente pressão para retornar ao trabalho aumentaram o mal-estar, segundo os pesquisadores do Future Forum. Mulheres e trabalhadores mais jovens, em particular, relataram dificuldades com o burnout.

Excesso de tecnologia 

Outro ponto relatado na pesquisa é que as empresas jogaram tanta tecnologia nos funcionários que estão os deixando sobrecarregados. Grandes empregadores agora usam uma média de 211 aplicativos diferentes, ante 195 no ano passado, de acordo com uma pesquisa separada da Okta, empresa de software em nuvem que rastreia o uso de aplicativos.

Um estudo recente, destacado na Harvard Business Review, de 20 equipes de três grandes empregadores, descobriu que os trabalhadores alternavam entre diferentes aplicativos e sites 1.200 vezes por dia, levando a um "imposto de alternância" que pode custar tempo, produtividade e tranquilidade aos trabalhadores.

Burnout pelo mundo

As pressões regionais também estão deixando as pessoas para baixo. No Reino Unido, por exemplo, as greves paralisaram o país enquanto os sindicatos do setor público protestam contra o que consideram aumentos salariais insignificantes.

No Japão, o governo pediu às empresas locais que ajudassem os trabalhadores a lidar com a inflação mais alta desde 1981.

Os cidadãos franceses foram às ruas para protestar contra o plano do governo de aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 64, o que pode resultar em algumas concessões em relação ao trabalho em casa, um porta-voz do governo disse no início desta semana.

Nos Estados Unidos, as demissões estão aumentando, e as políticas de retorno ao escritório estão mudando de recomendadas para obrigatórias. No entanto, os trabalhadores americanos parecem se sentir um pouco mais felizes do que seus colegas em outros países.

Apenas 41% das pessoas pesquisadas nos Estados Unidos disseram que se sentiram esgotadas no final do ano passado, pouco abaixo da taxa global de 42% e uma melhora modesta em relação ao início de 2022.

Como melhorar o cenário

A pesquisa do Future Forum, realizada trimestralmente em Estados Unidos, Reino Unido, Japão, Austrália, Alemanha e França, entrevistou 10.243 trabalhadores de 16 de novembro a 22 de dezembro de 2022.

O levantamento indica que os trabalhadores da era pandêmica com mais liberdade para escolher onde e quando trabalham geralmente são mais satisfeitos, produtivos e menos propensos a pedir demissão.

Na última pesquisa, realizada no fim do ano passado, mais da metade dos que disseram estar insatisfeitos com seu nível de flexibilidade também afirmaram estar esgotados. Funcionários com horários de trabalho fixos têm duas vezes mais chances de dizer que "definitivamente" procurarão um novo emprego no próximo ano.

"Todos os benefícios da flexibilidade são sobre como você dá às pessoas um tempo concentrado", disse o executivo que supervisiona a pesquisa do Future Forum, Brian Elliott. "A flexibilidade também melhora a cultura de uma empresa, e toda vez que digo isso aos executivos, eles ficam surpresos."

Leia mais:

Síndrome de Burnout afeta mais mulheres e pessoas não-binárias, diz estudo

Síndrome de Burnout: profissionais da área contábil, cuidado!

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.