x

CARREIRA

79% dos trabalhadores consideram trocar de emprego por Home Office permanente

A maioria esmagadora dos trabalhadores prefere trocar de emprego a perder o benefício do home office, reforçando a tendência global de trabalho remoto.

19/06/2023 11:00:05

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
79% dos trabalhadores trocam de emprego por Home Office

79% dos trabalhadores consideram trocar de emprego por Home Office permanente

A transformação que a pandemia trouxe ao ambiente de trabalho redefiniu as expectativas e preferências profissionais em todo o mundo. De acordo com uma pesquisa realizada por uma startup de recursos humanos no final de 2022, aproximadamente 79% dos profissionais expressaram preferência pelo trabalho remoto em vez de retornar ao escritório. 

Essa preferência por trabalhar de casa é tão forte que muitos estão dispostos a deixar seus empregos atuais caso não possam continuar trabalhando remotamente.

A necessidade de manter as operações comerciais durante os lockdowns forçou as empresas a adaptarem rapidamente seus processos. Isso incluiu a implementação de novas ferramentas digitais, o desenvolvimento de processos para gerir equipes remotas e a modernização de infraestruturas da tecnologia da informação (TI) para garantir a continuidade do negócio. Essas adaptações representaram um dos maiores desafios para as organizações em 2022.

Não só as operações e processos de negócios foram transformados, mas também os locais de trabalho dos funcionários. O ambiente doméstico tornou-se o novo escritório, requerendo a disponibilização de equipamentos adequados para assegurar que os funcionários pudessem trabalhar eficazmente. Isso incluiu computadores, móveis ergonômicos e dispositivos de comunicação, todos adaptados para uso doméstico.

Esse aumento na demanda por equipamentos de home office levou a discussões sobre quem é responsável por fornecê-los. Embora não seja amplamente discutido, o fornecimento de equipamentos para o trabalho remoto é de responsabilidade do empregador, de acordo com o artigo 2° da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) no Brasil.

Neste cenário de trabalho remoto, houve um aumento na procura por determinados produtos tecnológicos. Entre os mais procurados estão:

-Computadores portáteis de alto desempenho: os colaboradores dão preferência a dispositivos que combinam desempenho com durabilidade e portabilidade, como os que possuem longa duração de bateria e sistemas operacionais rápidos.

-Headsets com cancelamento de ruído: com a quantidade de reuniões online e videoconferências aumentando, os fones de ouvido com cancelamento de ruído tornaram-se essenciais para o trabalho remoto.

-Teclados e mouses ergonômicos: no processo de criar um ambiente de escritório em casa, muitos funcionários estão procurando teclados e mouses que proporcionam o mesmo nível de conforto e eficiência que os do escritório.

A transição para o trabalho remoto acelerou a digitalização e transformação tecnológica de muitas empresas. Ao invés de resistir às mudanças, as organizações mais bem-sucedidas foram aquelas que abraçaram a mudança e adotaram novas soluções. As empresas investem mais em ferramentas e infraestruturas digitais para garantir que os seus colaboradores possam trabalhar eficientemente e confortavelmente a partir de casa.

Ainda não está claro se a tendência do trabalho remoto será permanente ou se é uma reação à pandemia. No entanto, o que está claro é que as empresas e os trabalhadores estão se adaptando e aprendendo com esta experiência. 

O trabalho remoto não é apenas uma necessidade imposta pela pandemia, mas uma oportunidade para as empresas repensarem suas estratégias e processos, e para os trabalhadores equilibrarem melhor o trabalho e a vida pessoal. Em última análise, a experiência do trabalho remoto poderia levar a um futuro de trabalho mais flexível e resiliente.

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.