x

carreira

Profissional de RH tem salário 20,69% maior que profissional do Departamento Pessoal, aponta levantamento

A pesquisa mostra ainda que a região Sudeste é a que apresenta as maiores médias salariais em todos os níveis de cargo nas áreas de RH e Departamento Pessoal.

12/10/2023 18:00:09

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Profissional de RH tem salário 20,69% maior que profissional do Departamento Pessoal

Profissional de RH tem salário 20,69% maior que profissional do Departamento Pessoal, aponta levantamento Foto: Pixabay

Para que uma empresa tenha sucesso na gestão de pessoas é fundamental a atuação do time de Recursos Humanos e do Departamento Pessoal. Apesar de serem complementares, as áreas desempenham papéis distintos dentro das empresas e essa diferença vai além do escopo de atividades, indo  até na faixa salarial dos profissionais de cada setor. De acordo com a pesquisa “Panorama Salarial dos Profissionais de RH e Departamento Pessoal”, realizada pela HRTech Convenia RH, profissionais de Recursos Humanos têm salário 20,69% superior em relação aos profissionais do Departamento Pessoal.

O estudo, que envolveu a participação de 2.769 profissionais de diversos níveis hierárquicos de ambas as áreas, abordou diversas questões relacionadas ao cenário atual dos colaboradores. Os resultados revelaram que a média salarial de um Analista de Recursos Humanos é de R$ 4.464,20, em contraste com a remuneração média de R$ 4.203,53 de um Analista de Departamento Pessoal. Além disso, a análise indicou que Gerentes de Departamento Pessoal ganham cerca de R$ 9.790,16, enquanto Gerentes de Recursos Humanos recebem, em média, R$ 13.600,26 por mês.

“O nosso objetivo com essa análise é contribuir com o mercado e auxiliar Gestores de RH e Departamento Pessoal a tomarem decisões mais embasadas sobre remuneração e benefícios”, explica Marcelo Furtado, CEO e cofundador da Convenia. “Buscamos entender as dinâmicas salariais do mercado, para fornecer informações valiosas para profissionais e empresas que desejam se manter atualizados com as práticas salariais, que estão em constante evolução”, comenta.

No recorte por região, a pesquisa constatou que a região Sudeste é a que apresenta as maiores médias salariais em todos os níveis de cargo nas áreas de RH e Departamento Pessoal. “Os grandes centros comerciais e empresariais estão localizados na região, em especial no eixo Rio de Janeiro - São Paulo, e o custo de vida nesses locais tendem a ser mais caros, o que impulsiona as empresas a oferecerem remunerações mais atrativas para atrair talentos”, destaca Marcelo. Ainda segundo a análise, o Sul também representa médias salariais mais sólidas em todos os níveis hierárquicos. “É possível relacionar esses dados ao desempenho econômico da região e da proximidade com países do Mercosul, que pode atrair e influenciar a busca por profissionais bílingues”, analisa.

A pesquisa analisou também a relação entre Cargo e Vínculo Empregatício, constatando que Auxiliares, Assistentes e Analistas de Recursos Humanos, contratados com vínculo Pessoa Jurídica (PJ) ganham em média 8,36% a mais que os contratados sob regime CLT. Já profissionais de Departamento Pessoal, que atuam como Auxiliares, Assistentes e Analista, recebem salários 29,94% superiores quando contratados como PJ.

O “Panorama Salarial dos Profissionais de RH e Departamento Pessoal” recebeu respostas no período de 12 de agosto a 12 de setembro, e analisou também aspectos relacionados à Raça, Gênero, Idade, Diversidade e Escolaridade. A pesquisa completa pode ser acessada no link. “Os resultados da pesquisa ressaltam a importância do apoio à educação contínua e do reconhecimento no desenvolvimento de carreira”, finaliza Marcelo Furtado, CEO e cofundador da Convenia RH.

Fonte: Convenia RH

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.