x

Vínculo

STF aceitou 63% dos pedidos para anular vínculo de emprego em 2023

Supremo não reconheceu o vínculo empregatício na maioria das ações de 2023, permitindo contratação como autônomo.

25/11/2023 09:00:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
STF anulou 63% dos pedidos de vínculo de emprego

STF aceitou 63% dos pedidos para anular vínculo de emprego em 2023

Entre janeiro a agosto deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) acolheu 204 de um total de 324 solicitações apresentadas por empresas com o objetivo de anular decisões da Justiça do Trabalho que haviam reconhecido vínculo empregatício. Ou seja, 63% das ações.

Os dados são da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), obtidos pelo serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, o Broadcast. Essas decisões, que foram objeto de contestação por meio de reclamações, não envolvem uma revisão das evidências do processo, sendo que os ministros apenas avaliam se a sentença proferida em instâncias inferiores aderiu ou não à jurisprudência do Supremo.

Terceirização da atividade-fim

No contexto da terceirização da atividade-fim ou da prática da pejotização, o STF registrou 167 reclamações por parte de empresas buscando invalidar decisões da Justiça do Trabalho que haviam reconhecido vínculos empregatícios. Destas, 80 (ou 48%) foram atendidas pelos ministros. Esses casos envolvem contratos de pessoa jurídica (PJ), que, conforme a interpretação dos juízes do trabalho, configuram fraude.

No que diz respeito à contratação de advogados associados, 75% das decisões do Supremo não reconheceram o vínculo empregatício, permitindo a contratação como autônomo. No âmbito do transporte autônomo de cargas, 84% das decisões do STF consideraram que a competência para analisar a questão pertence à Justiça Comum, não à Justiça do Trabalho. Quanto a outros profissionais autônomos, 54% das decisões do Supremo autorizaram a contratação.

Qual a diferença entre pejotização e terceirização?

Segundo a coordenadora da pesquisa, Olívia Pasqualeto, há uma distinção crucial entre pejotização e terceirização que não está sendo contemplada nas decisões do Supremo. Ela destaca que, quando o STF permitiu, em 2018, a terceirização da atividade-fim, diversas práticas, como a contratação de pessoa jurídica, começaram a ser adotadas, o que, por si só, não é fraude, mas em muitos casos acaba sendo. A Justiça do Trabalho, então, avalia se há ou não fraude nessas situações.

Em 2018, o Supremo validou a terceirização da atividade-fim das empresas e estabeleceu a tese de que "é lícita a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas". A pesquisa da FGV-SP conclui que, entre os ministros, há uma inclinação para uma interpretação ampla dos precedentes do STF, favorecendo a validação de formas de contratação que não envolvem vínculo empregatício.

A pesquisa também identificou um aumento significativo nas reclamações contra decisões da Justiça do Trabalho entre 2018 e 2020, período que coincide com o início da vigência da reforma trabalhista, que ampliou as possibilidades de terceirização.

O advogado sócio do escritório Chiode Minicucci, Daniel Domingues Chiode, argumenta que a atuação do STF nesse tema decorre da falta de regulamentação das novas formas de trabalho e da má aplicação da CLT pelos tribunais trabalhistas. Ele destaca que o Supremo reconhece que os métodos produtivos evoluíram e não se encaixam mais na CLT.

Chiode rejeita a crítica de que o STF confunde pejotização e terceirização, afirmando que há uma "harmonia" nas decisões da Corte. Ele destaca que o que vincula não é apenas a tese, mas a tese combinada com os motivos determinantes. O advogado também menciona que, em decisões monocráticas, ministros do STF têm manifestado desconforto com a atuação dos juízes trabalhistas, argumentando que a tentativa da Justiça do Trabalho de frustrar a evolução dos meios de produção é inócua.

Em setembro, o Tribunal Superior do Trabalho condenou a Uber a contratar todos os motoristas ativos em sua plataforma via CLT, além de pagar R$ 1 bilhão em danos morais coletivos. Segundo levantamento da plataforma de jurimetria Data Lawyer, existem 15.221 processos (ativos e finalizados) contra Uber, 99 e Cabify. Destes, 5.555 são decisões favoráveis aos aplicativos e 2.388 favoráveis aos trabalhadores.

A equipe do presidente do STF, Luís Roberto Barroso, está avaliando maneiras de unificar a jurisprudência sobre o tema. Uma das possíveis soluções é o julgamento em repercussão geral (RG), que afeta todos os processos na Justiça. Há a possibilidade de que um recurso da Uber contra uma de suas condenações na Justiça do Trabalho seja julgado por meio de RG.

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.