x

JORNADA POR EXCEÇÃO

Justiça do Trabalho permite adoção de registro de controle de jornada por exceção

Trabalhadores podem acessá-lo para fazer exclusão, alterar registros e consultar informações.

27/11/2023 09:30:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Jornada por exceção: TST permite adoção de controle

Justiça do Trabalho permite adoção de registro de controle de jornada por exceção Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) restabeleceu a adoção de registro de controle de jornada por exceção em um caso da empresa Souza Cruz, indústria de cigarros brasileira. Caso não haja nenhum apontamento de “exceção”, nessa modalidade, prevalece a jornada contratual, pré-fixada.

A determinação da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST aprovou a cláusula do acordo coletivo 2014/2015 que foi firmado entre a fabricante de cigarros e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz do Sul e Região.

O sistema, conforme o texto, não autoriza restrições e nem autorização para a marcação dos apontamentos. Diante disso, os empregados podem, a qualquer momento, acessá-lo para efetuar, excluir ou alterar registros e consultar informações. 

Vale destacar que, mensalmente, a empresa emite um relatório individual, para conferência.

Início do caso

No ano de 2015, a ação anulatória analisada pelos ministros tinha sido ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). 

O órgão acabou sustentando que o sistema alternativo seria contrário ao parágrafo 2º do artigo 74 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) , uma vez que, no texto vigente na época, exigia o registro de entrada e saída para organizações com mais de dez empregados.

Diante disso, o registro por exceção, conforme o entendimento do MPT, não permite o controle de horário efetivo e seguro, o que acaba gerando a presunção de cumprimento normal e regular da jornada de trabalho, que pode não corresponder à realidade.

Justiça

Passado algum tempo, o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4) anulou a cláusula e, depois, a decisão foi inicialmente confirmada pelo TST.

Contra essa decisão, a indústria de cigarros interpôs recurso extraordinário ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas a movimentação processual ficou suspensa até a fixação de tese de repercussão geral sobre a validade de norma coletiva de trabalho,

O Supremo, nesse julgamento, estabeleceu a tese vinculante de que são constitucionais os acordos e as convenções coletivas que acabam limitando ou afastando os direitos trabalhistas, desde que respeitados os direitos absolutamente indisponíveis. 

Com informações do Valor Econômico

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.