x

fgts digital

Empresas do setor de TI pedem prorrogação da implementação do FGTS Digital

Entidades do setor de TI pedem prorrogação da implementação do FGTS Digital ao Ministério do Trabalho, destacando problemas de automação e necessidade de integração.

26/02/2024 15:30:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Empresas de TI pedem novo adiamento do FGTS Digital

Empresas do setor de TI pedem prorrogação da implementação do FGTS Digital Foto: Pixabay

Empresas de tecnologia da informação, representadas pela Brasscom, enviaram um pedido formal ao Ministério do Trabalho para adiar a implementação do FGTS Digital, inicialmente agendada para 1º de março.

No ofício endereçado ao ministro Luiz Marinho, a entidade expressa preocupação com a disparidade entre os testes realizados no início do ano e a versão final do sistema, ressaltando a necessidade de considerar a integração de Interface de Programação de Aplicação (APIs) para aprimorar a automação.

Segundo o documento, a operação do FGTS Digital a partir de março de 2024 demandaria um processo excessivamente manual, com acesso diário e constante ao ambiente digital do FGTS, em contraste com os acessos mensais da DCTfweb.

As empresas argumentam que a obtenção de guias via webservice ou API otimizaria a geração das mesmas, reduzindo a sobrecarga no sistema governamental e proporcionando maior estabilidade, além de minimizar o trabalho manual.

Diante disso, solicitam um novo adiamento, visto que a data inicialmente prevista, janeiro de 2024, já foi postergada para março. O objetivo do FGTS Digital é integrar sistemas para simplificar o recolhimento do Fundo de Garantia.

O Serpro, responsável pela operacionalização, afirma que o sistema está pronto para entrar em produção, enquanto o Ministério do Trabalho responde que, até o momento, não há previsão de alteração.

Leia mais sobre

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.