Contábeis o portal da profissão contábil

14
Dec 2018
22:29

Trabalhista

O famoso salário "pago por fora"

Sobre valores não registrados em folha de pagamento

30/07/2018 08:41

folha de pagamento Salário

Que muitos funcionários não recebem seu salário integralmente na folha de pagamento, não é novidade para ninguém, afinal, é uma prática muito comum entre as empresas. Geralmente isso ocorre com empregados que recebem um valor de salário mais alto, onde o empregador registra um valor inferior na CTPSCarteira de Trabalho e Previdência Social, e o restante quita de forma “fria”.


Mas por que isso acontece?

É nítido que o objetivo desta prática (ilegal) ocorre devido aos impostos que são pagos sobre a folha. Para o empregador, existe a vantagem de ter um custo menor com a CPP (Contribuição Patronal Previdenciária), PIS (Programa de Integracao Social), FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e consequentemente com reflexos nas verbas trabalhistas (férias, 13º salário, aviso indenizado, médias sobre DSR, etc). Já para o funcionário, existe a “vantagem” de pagar menos para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), menos IR (Imposto de Renda – isso se houver), e em muitos casos receber o Abono Salarial anual.


Mas por outro lado é muito prejudicial!

O empregado que não recebe seus ganhos reais na folha de pagamento deixa de investir valores em seus benefícios previdenciários, não obtém o depósito de FGTS corretamente (o que acarreta em reflexo negativo numa futura multa de 40% sobre o Fundo), e também é prejudicado quanto aos pagamentos de verbas trabalhistas e Seguro-Desemprego.

Claro que, nos casos que isso ocorre o funcionário aceita receber desta forma, seja por livre e espontânea pressão ou por solicitação dele mesmo (crendo que será beneficiado), mas acontece que, independente do funcionário aceitar ou não, a responsabilidade do pagamento do salário é inteiramente da empresa. E assim sendo, é inútil querer defender a parte empregadora com a alegação de que o funcionário aceitou ou solicitou.

A empresa que paga “por fora” possui chances demasiadas de se envolver em uma causa trabalhista, e claro que, também está cometendo crime contra a ordem tributária, conforme disposto na LEI Nº 8.137, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1990, sob pena de multa e reclusão.

Apesar da alta carga tributária que a sociedade brasileira é obrigada a pagar, é preciso, mesmo assim, seguir a legislação! A ideia de que “precisamos roubar do governo que nos rouba” é supérflua e erradíssima, não se paga um erro com outro erro.

Para afastar qualquer problema o empregador tem que registrar o real salário do funcionário e pagar-lhe o valor discriminado no campo “Valor líquido”.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César