x
CONTEÚDO notícias

Legislativo

Projeto quer a recontratação de trabalhador dispensado na pandemia

Texto que está em tramitação na Câmara dos Deputados prevê a recontratação de trabalhadores dispensados na pandemia depois de até 89 dias de dispensa.

22/09/2020 09:40:01

2,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Projeto quer a recontratação de trabalhador dispensado na pandemia

Está em tramitação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 3078/20 que trata da recontratação de trabalhadores demitidos em razão da pandemia. O texto abrange o período do estado de calamidade pública reconhecido pelo Congresso Nacional (Decreto Legislativo 6/20) e os 18 meses subsequentes.

A proposta, de autoria dos deputados Lucas Gonzalez (Novo-MG) e Marcel van Hattem (Novo-RS), prevê que, por meio de acordo individual, o trabalhador possa ser recontratado pelo empregador em até 89 dias após demissão. Cumprindo esse prazo, ambas as partes ficam isentadas de penalidades.

Nesse caso, o trabalhador receberá uma indenização de 10% do saldo no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e poderá movimentar a conta vinculada, fazendo jus ainda à parte do seguro-desemprego a que teria direito.

Cancelamento da recontratação

Caso a recontratação não ocorra, o trabalhador terá direito a todas as indenizações legais. A proposta insere dispositivos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) , que hoje proíbe a recontratação até três meses após a demissão.

“É certo que a maioria preferirá preservar a possibilidade de retorno a procurar emprego em outras companhias”, avaliaram os autores, deputado Gonzalez (Novo-MG) e Hattem.

“Se frustrada essa possibilidade, o trabalhador não terá qualquer prejuízo pecuniário, vez que receberá a rescisão integralmente”, continuaram os autores. “Para o empregador, o benefício está em reaver um funcionário que já conhece a empresa.”

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.