x

FÓRUM CONTÁBEIS

CONTABILIDADE

respostas 11

acessos 11.845

Isenções INSS entidade portadora do CEBAS

Wellison Cristiano Magalhães

Wellison Cristiano Magalhães

Prata DIVISÃO 4, Não Informado
há 2 anos Quarta-Feira | 20 outubro 2021 | 09:54

Prezados,
 
Uma associação possui o CEBAS (Certificado de Entidade Beneficente de Assistencial)  tendo código FPAS 639 e, portando, é isenta do pagamento das contribuições previdenciárias, recolhendo apenas o INSS descontado dos empregados. Para completar, seu CNAE é 9430-8/00 sendo a alíquota RAT atualmente de 2% (Anexo V ao Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto nº 3.048, de 6 de maio de 1999) e o FAP atual é de 0,50000.
 
Apesar de isenta, essa entidade precisa lançar na contabilidadeas isenções que faz gozo, correto?
Sendo assim, no caso citado, os percentuais a aplicar sobreo total da folha de pagamento para encontrar o valor de isenção seriam?
 
ISENÇÃO INSS – EMPRESA: 20% ??
ISENÇÃO INSS – RAT AJUSTADO: 1% ?? (2%RAT X 0,50000 FAP)
ISENCAO INSS – TERCEIROS: Qual seria o percentual deterceiros a usar nessa situação?
 
Se alguém que tenha experiência com Terceiro Setor puderajudar, agradeço.

Ezequiel Martinez dos Santos

Ezequiel Martinez dos Santos

Prata DIVISÃO 3, Analista Contabilidade
há 2 anos Quarta-Feira | 20 outubro 2021 | 10:57

Prezado Wellison, bom dia!


Exatamente, a isenção usufruída deve ser demonstrada, através de lançamentos em contas de compensação.

ISENÇÃO INSS – EMPRESA: 20%
ISENÇÃO INSS – RAT AJUSTADO: 1% (2% RAT X 0,50000 FAP)
ISENÇÃO INSS – TERCEIROS: Qual seria o percentual de terceiros a usar nessa situação?
Aqui na Entidade, utilizamos o mesmo percentual de Terceiros que era aplicado no mês anterior da Certificação do CEBAS.
No caso: 5,8

A parte empresa está correta: 20% e o RAT ajustado será o único que irá variar anualmente em razão da Consulta do FAP.

Atenciosamente,


EZEQUIEL MARTINEZ DOS SANTOS


https://www.linkedin.com/in/ezequielmartinezsantos/
Wellison Cristiano Magalhães

Wellison Cristiano Magalhães

Prata DIVISÃO 4, Não Informado
há 2 anos Quarta-Feira | 20 outubro 2021 | 12:22

Primeiramente muito obrigado Ezequiel!

Então, nessa entidade  a que me refiro, ela já possui a isenção mesmo antes do CEBAS existir. Antigamente era preciso apresentar anualmente documentação no INSS para usufruir da isenção.

Mas acontece que o antigo contador usava o percentual de 4,5 % para encontrar essa isenção de terceiros. Não sei de onde ele tirou isso lá atrás, já que, como falei, são muitos anos que a entidade faz jus a isenção. Porém, hoje eu queria achar uma base legal pra saber se é esse mesmo o percentual ou se seria outro. Teria que descobrir talvez quanto a empresa pagaria referente a terceiros se ela não tivesse mais o direito da isenção. Mas, sinceramente, não sei como encontrar isso, rsrs. 

Outra situação é se lá na frente alguém vier falar que esse 4,5% que é utilizado hoje está errado. E como já é feito com esse percentual há vários anos, se teria que retificar, se deixava assim mesmo e começava com um novo a partir de então... Enfim, gostaria muito de esclarecer essa dúvida, rsrsrs.

Ezequiel Martinez dos Santos

Ezequiel Martinez dos Santos

Prata DIVISÃO 3, Analista Contabilidade
há 2 anos Quarta-Feira | 20 outubro 2021 | 13:36

Prezado,

Até o momento nunca tive conhecimento de empresa que, mesmo sem o CEBAS conseguia isenção de INSS. .....Se souber/puder compartilhar qual procedimento era feito, será interessante para deixar registrado.

Então creio que outro ponto que você pode utilizar para determinar o valor de Terceiros será o Código FPAS.
Consulte na guia qual código era usado antes da Certificação e busque o percentual na tabela disponibilizada no link abaixo:

https://dpemfoco.com.br/2016/06/14/contribuicao-destinada-terceiros/

Atenciosamente,


EZEQUIEL MARTINEZ DOS SANTOS


https://www.linkedin.com/in/ezequielmartinezsantos/
Wellison Cristiano Magalhães

Wellison Cristiano Magalhães

Prata DIVISÃO 4, Não Informado
há 2 anos Quarta-Feira | 20 outubro 2021 | 14:30

Então, até a entrada em vigor do CEBAS, a entidade além de cumprir vários requisitos, deveria apresentar até dia 30 de abril de cada ano, relatório de atividades do exercício anterior. Até existia um  Certificado de Entidade de Fins Filantrópicos
fornecido pelo Conselho Nacional de Assistência Social, mas ele sozinho não dava esse direito. Porém, com a entrada em vigor do CEBAS, essa requisição anual junto ao próprio INSS deixou de ser necessária.  Em relação à minha situação, a entidade já é beneficiária desse isenção há pelo menos 25 anos, e nem tem como saber qual o FPAS utilizava na época, visto que quem cuidava disso nem se sabe por onde anda mais, e não ficou nada registrado na instituição. Sei que mesmo o sujeito que entrou antes de mim já usava esses 4,5% o qual já pegou desse anterior que sumiu. Eu só queria arrumar a situação, mas tá difícil, rsrs.

Abaixo alguma legislação da época que encontrei para seu conhecimento:

Art.33. A pessoa jurídica beneficiada com a isenção é obrigada a apresentar,
anualmente, até 30 de abril, ao órgão do Instituto Nacional do Seguro Social -
INSS jurisdicionante de sua sede, relatório circunstanciado de suas atividades
no exercício anterior, assim como as seguintes informações: (Decreto nº 2173,
de 05.03.97)

I- localização de sua sede;
II- nome e qualificação completa de seus dirigentes;
III- relação dos seus estabelecimentos e obras de construção civil identificados
pelos respectivos números de Cadastro Geral do Contribuinte-CGC e matrícula no
Cadastro Específico do INSS-matrícula CEI;

IV- descrição pormenorizada dos serviços de assistência social, educacional ou de
saúde, prestados a menores, idosos, portadores de deficiência e pessoas
carentes, mencionando a quantidade de atendimentos e os respectivos custos.

§1º O relatório será instruído com os seguintes documentos:
a)cópias do Balanço Geral e do Demonstrativo de Receita e Despesa do exercício
anterior;

b)declaração firmada por pelo menos dois dirigentes, sob pena de
responsabilidade, de que a entidade continua a satisfazer plena e cabalmente os
requisitos constantes do art. 30 .

§2º A pessoa jurídica apresentará, ainda, as folhas de pagamento relativas ao
período, bem como os respectivos documentos de arrecadação que comprovem o
recolhimento das contribuições dos empregados ao Instituto Nacional do Seguro
Social - INSS, além de outros documentos que possam vir a ser solicitados pela
fiscalização do Instituto, devendo inclusive, lançar na sua contabilidade, de
forma discriminada, os valores aplicados em gratuidade, bem como o valor
correspondente à isenção das contribuições previdenciárias a que fizer jus.

§3º Aplicam-se às pessoas jurídicas no exercício do direito à isenção todas as
normas de arrecadação, fiscalização e cobrança de contribuições estabelecidas
neste Regulamento.

§4º A falta da apresentação do relatório anual circunstanciado ao Instituto
Nacional do Seguro Social - INSS constitui infração ao inciso III do art. 32 da
Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991.


SeçãoII Da Isenção de Contribuições Art. 206. Fica isenta das contribuições de que
tratam os arts. 201, 202 e 204 a pessoa jurídica de direito privado beneficente
de assistência social que atenda, cumulativamente, aos seguintes
requisitos:(Decreto nº 3.048, de 06 de maio de 1999)
I -seja reconhecida como de utilidade pública federal;
II -seja reconhecida como de utilidade pública pelo respectivo Estado, Distrito
Federal ou Município onde se encontre a sua sede;
III- seja portadora do Registro e do Certificado de Entidade de Fins Filantrópicos
fornecido pelo Conselho Nacional de Assistência Social, renovado a cada três
anos;
IV -promova, gratuitamente e em caráter exclusivo, a assistência social beneficente
a pessoas carentes, em especial a crianças, adolescentes, idosos e portadores
de deficiência;
V -aplique integralmente o eventual resultado operacional na manutenção e
desenvolvimento de seus objetivos institucionais, apresentando, anualmente,
relatório circunstanciado de suas atividades ao Instituto Nacional do Seguro
Social;
e
VI -não percebam seus diretores, conselheiros, sócios, instituidores, benfeitores,
ou equivalentes, remuneração, vantagens ou benefícios, por qualquer forma ou
título, em razão das competências, funções ou atividades que lhes são
atribuídas pelo respectivo estatuto social.
§ 1ºPara os fins deste artigo, entende-se por assistência social beneficente a
prestação gratuita de benefícios e serviços a quem destes necessitar.
§ 2ºConsidera-se pessoa carente a que comprove não possuir meios de prover a
própria manutenção, nem tê-la provida por sua família, bem como ser
destinatária da Política Nacional de Assistência Social, aprovada pelo Conselho
Nacional de Assistência Social.
§ 3ºPara efeito do parágrafo anterior, considera-se não possuir meios de prover a
própria manutenção, nem tê-la provida por sua família, a pessoa cuja renda
familiar mensal corresponda a, no máximo, R$ 271,99 (duzentos e setenta e um
reais e noventa e nove centavos), reajustados nas mesmas épocas e com os mesmos
índices utilizados para o reajustamento do benefício de prestação continuada da
assistência social.
§ 4ºConsidera-se também de assistência social beneficente a pessoa jurídica de
direito privado que, anualmente, ofereça e preste efetivamente, pelo menos,
sessenta por cento dos seus serviços ao Sistema Único de Saúde, não se lhe
aplicando o disposto nos §§ 2º e 3º deste artigo.
§ 5ºA isenção das contribuições é extensiva a todas as entidades mantidas, suas
dependências, estabelecimentos e obras de construção civil da pessoa jurídica
de direito privado beneficente, quando por ela executadas e destinadas a uso
próprio.
§ 6ºA isenção concedida a uma pessoa jurídica não é extensiva e nem abrange outra
pessoa jurídica, ainda que esta seja mantida por aquela, ou por ela controlada.

§ 7ºO Instituto Nacional do Seguro Social verificará, periodicamente, se a pessoa
jurídica de direito privado beneficente continua atendendo aos requisitos de
que trata este artigo.
§ 8ºO Instituto Nacional do Seguro Social cancelará a isenção da pessoa jurídica de
direito privado beneficente que não atender aos requisitos previstos neste
artigo, a partir da data em que deixar de atendê-los, observado o seguinte
procedimento:
I -se a fiscalização do Instituto Nacional do Seguro Social verificar que a pessoa
jurídica a que se refere este artigo deixou de cumprir os requisitos nele
previstos, emitirá Informação Fiscal na qual relatará os fatos que determinaram
a perda da isenção;
II -a pessoa jurídica de direito privado beneficente será cientificada do inteiro
teor da Informação Fiscal, sugestões e conclusões emitidas pelo Instituto
Nacional do Seguro Social e terá o prazo de quinze dias para apresentação de
defesa e produção de provas;
III- apresentada a defesa ou decorrido o prazo sem manifestação da parte
interessada, o Instituto Nacional do Seguro Social decidirá acerca do
cancelamento da isenção, emitindo Ato Cancelatório, se for o caso; e
IV -cancelada a isenção, a pessoa jurídica de direito privado beneficente terá o
prazo de quinze dias, contados da ciência da decisão, para interpor recurso com
efeito suspensivo ao Conselho de Recursos da Previdência Social.
§ 9ºNão cabe recurso ao Conselho de Recursos da Previdência Social da decisão que
cancelar a isenção com fundamento nos incisos I, II e III do caput.
§10. O Instituto Nacional do Seguro Social comunicará à Secretaria de Estado de
Assistência Social, à Secretaria Nacional de Justiça, à Secretaria da Receita
Federal e ao Conselho Nacional de Assistência Social o cancelamento de que
trata o § 8º.
§11. As pessoas jurídicas de direito privado beneficentes, resultantes de cisão
ou desmembramento das que se encontram em gozo de isenção nos termos deste
artigo, poderão requerê-la, sem qualquer prejuízo, até quarenta dias após a
cisão ou o desmembramento, podendo, para tanto, valer-se da mesma documentação
que possibilitou o reconhecimento da isenção da pessoa jurídica que lhe deu
origem. 

Ezequiel Martinez dos Santos

Ezequiel Martinez dos Santos

Prata DIVISÃO 3, Analista Contabilidade
há 2 anos Quinta-Feira | 21 outubro 2021 | 00:33

Prezado,

Fiz uma busca no site abaixo para saber qual seria o melhor enquadramento de acordo com o CNAE informado.

https://dpobjetivo.com.br/tabelas/tabela-de-atribuicoes-do-cnae.html


9430800 - 9430-8/00 - Atividades de associações de defesa de direitos sociais

De acordo com o CNAE acima, o código FPAS seria o 515, 5,8%

Atenciosamente,


EZEQUIEL MARTINEZ DOS SANTOS


https://www.linkedin.com/in/ezequielmartinezsantos/
GILBERTO DE SOUZA

Gilberto de Souza

Bronze DIVISÃO 5, Contador(a)
há 1 ano Quarta-Feira | 22 fevereiro 2023 | 09:37

Bom dia!
também utilizo a alíquota de 4,5% para Terceiros, comparando a Atividade da Entidade ao FPA 566
Essa alíquota também nos foi confirmada mediante a Auditoria que era aplicada.
Espero ter ajudado
Gilberto - Araras/SP

Gilberto De Souza
-Contador Autônomo-
Janaina Teles

Janaina Teles

Prata DIVISÃO 1, Contador(a)
há 40 semanas Sexta-Feira | 15 setembro 2023 | 10:12

Bom Dia aos colegas!!!

Tenho uma associação que possui o benefício do CEBAS, porém não reconheço contabilmente essa parte de isenção do INSS.
Como seria esse lançamento? Tem alguma normativa para isso?
Obrigada!

Ezequiel Martinez dos Santos

Ezequiel Martinez dos Santos

Prata DIVISÃO 3, Analista Contabilidade
há 33 semanas Terça-Feira | 31 outubro 2023 | 15:08

Prezada Janaína, boa tarde!

O lançamento contábil seria:

D - 3.09.01.1.02.001-1 CONTRIB.PREVIDENCIÁRIA-INSS/PIS
C - 4.09.01.1.02.001-4 CONTRIB.PREVIDENCIÁRIA-INSS/PIS

Abaixo, para melhor visualização, estou colocando uma estrutura do Plano de Contas que utilizo para realizar tais lançamentos. Essas chamadas Contas de Compensação, aparecem no último nível, após todas as Contas de Resultado. O mesmo conceito se aplica ao reconhecimento do Trabalho Voluntário e Gratuidades na Área da Educação.

3.00.00.0.00.000-0 DESPESAS GERAIS
3.09.00.0.00.000-7 CONTAS DE COMPENSAÇÕES
3.09.01.0.00.000-4 TRABALHO VOLUNTÁRIO/ISENÇÕES/GRATUIDADES
3.09.01.1.00.000-8 TRABALHO VOLUNTÁRIO/ISENÇÕES/GRATUIDADES
3.09.01.1.01.000-2 TRABALHO VOLUNTÁRIO
3.09.01.1.01.001-3 TRABALHO VOLUNTARIO
3.09.01.1.02.000-9 ISENÇÕES
3.09.01.1.02.001-1 CONTRIB.PREVIDENCIÁRIA-INSS/PIS
3.09.01.1.02.002-0 COFINS

3.09.01.1.03.000-6 GRATUIDADES
3.09.01.1.03.001-2 GRATUIDADES
4.00.00.0.00.000-8 RECEITAS GERAIS
4.09.00.0.00.000-7 CONTAS DE COMPENSAÇÕES
4.09.01.0.00.000-9 TRABALHO VOLUNTÁRIO/ISENÇÕES/GRATUIDADES
4.09.01.1.00.000-3 TRABALHO VOLUNTÁRIO/ISENÇÕES/GRATUIDADES
4.09.01.1.01.000-2 TRABALHO VOLUNTÁRIO
4.09.01.1.01.001-1 TRABALHO VOLUNTÁRIO
4.09.01.1.02.000-5 ISENÇÕES
4.09.01.1.02.001-4 CONTRIB.PREVIDENCIÁRIA-INSS/PIS
4.09.01.1.02.002-3 COFINS

4.09.01.1.03.000-8 GRATUIDADES
4.09.01.1.03.001-7 GRATUIDADES


Referente a parte legal, temos na ITG 2002 (R1), em seu item 26 que versa o seguinte:

Contas de Compensação
26. Sem prejuízo das informações econômicas divulgadas nas demonstrações contábeis, a entidade pode controlar em conta de compensação transações referentes a isenções, gratuidades e outras informações para a melhor evidenciação contábil.

Como sua Entidade possui CEBAS, creio que vocês devem passar por Auditoria Externa, Publicar Balanço, etc.... Na mesma ITG 2002 (R1), constam as recomendações a respeito das Notas Explicativas que devem acompanhar as Demonstrações Contábeis, sendo:
Divulgação
27. As demonstrações contábeis devem ser complementadas por notas explicativas que contenham, pelo menos, as seguintes informações:
(a) ....
(b) ....
(c) relação dos tributos objeto de renúncia fiscal;(Alterada pela ITG 2002 (R1))
(d) ....

ITG 2002 (R1) - ENTIDADE SEM FINALIDADE DE LUCROS

Atenciosamente,


EZEQUIEL MARTINEZ DOS SANTOS


https://www.linkedin.com/in/ezequielmartinezsantos/
Jefferson Luiz Cavalcante dos Santos

Jefferson Luiz Cavalcante dos Santos

Iniciante DIVISÃO 5, Contador(a)
há 1 semana Segunda-Feira | 10 junho 2024 | 22:49

Prezados,

quem tem CEBAS precisa apurar os valores de INSS, PIS e terceiros normalmente? A única diferença é que precisa subir pra DCTF Web com os valores zerados?
neste caso, lança-se o valor do cálculo em contas de compensação pra registro do benefício e sobre as respectivas linhas zeradas pra dctf web?

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.