x
2019-07-12T09:15:17-03:00

FÓRUM CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO PESSOAL E RH

respostas 6

acessos 19.543

pedido de demissão contrato intermitente

há 1 ano Sexta-Feira | 12 julho 2019 | 11:07

Veja se o texto abaixo te ajuda:
Modalidade de trabalho intermitente
Como será efetuado a nova modalidade de trabalho intermitente. Quais as obrigações da empresa. Será necessário colocar no contrato informações como termino do trabalho. Existe carga horária mínima. Como proceder? 
Esclarecemos que se considera como intermitente o contrato de trabalho no qual a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria. 
O contrato de trabalho intermitente será celebrado por escrito e registrado na CTPS, ainda que previsto acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva, e conterá: 
• I - identificação, assinatura e domicílio ou sede das partes; 
• II - valor da hora ou do dia de trabalho, que não poderá ser inferior ao valor horário ou diário do salário mínimo, assegurada a remuneração do trabalho noturno superior à do diurno; e 
• III - o local e o prazo para o pagamento da remuneração. 
O empregador convocará o empregado, por qualquer meio de comunicação eficaz, para a prestação de serviços, informando qual será a jornada, com, pelo menos, três dias corridos de antecedência e terá o empregado o prazo de 24 horas para responder e no silêncio estará presumida a recusa. 
Na data acordada para o pagamento, o empregado receberá, de imediato, as seguintes parcelas: 
• I - remuneração; 
• II - férias proporcionais com acréscimo de um terço; 
• III - décimo terceiro salário proporcional; 
• IV - repouso semanal remunerado; e 
• V - adicionais legais. 
O recibo de pagamento deverá conter a discriminação dos valores pagos relativos a cada uma das parcelas referidas. 
Na hipótese de o período de convocação exceder um mês, o pagamento das parcelas não poderá ser estipulado por período superior a um mês, contado a partir do primeiro dia do período de prestação de serviço. 
O valor horário ou diário não será inferior àquele devido aos demais empregados do estabelecimento que exerçam a mesma função. 
É facultado às partes convencionar por meio do contrato de trabalho intermitente: 
• I - locais de prestação de serviços; 
• II - turnos para os quais o empregado será convocado para prestar serviços; 
• III - formas e instrumentos de convocação e de resposta para a prestação de serviços; 
• IV - formato de reparação recíproca na hipótese de cancelamento de serviços previamente agendados nos termos dos § 1º e § 2º do art. 452-A da CLT.   
Decorrido o prazo de um ano sem qualquer convocação do empregado pelo empregador, contado a partir da data da celebração do contrato, da última convocação ou do último dia de prestação de serviços, o que for mais recente, será considerado rescindido de pleno direito o contrato de trabalho intermitente. 
Ressalvadas as hipóteses a que se referem os art. 482 e art. 483 da CLT, na hipótese de extinção do contrato de trabalho intermitente serão devidas as seguintes verbas rescisórias: 
I - pela metade: 
a) o aviso prévio indenizado, calculado conforme o art. 452- F; e 
b) a indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, prevista no § 1º do art. 18 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990; e 
II - na integralidade, as demais verbas trabalhistas. 
A extinção de contrato de trabalho intermitente permite a movimentação da conta vinculada do trabalhador no FGTS na forma do inciso I-A do art. 20 da Lei nº 8.036, de 1990, limitada a até oitenta por cento do valor dos depósitos. 
As verbas rescisórias e o aviso prévio serão calculados com base na média dos valores recebidos pelo empregado no curso do contrato de trabalho intermitente. 
No cálculo da média a que se refere o caput, serão considerados apenas os meses durante os quais o empregado tenha recebido parcelas remuneratórias no intervalo dos últimos doze meses ou o período de vigência do contrato de trabalho intermitente, se este for inferior. 
O aviso prévio será necessariamente indenizado. 
Até 31 de dezembro de 2020, o empregado registrado por meio de contrato de trabalho por prazo indeterminado demitido não poderá prestar serviços para o mesmo empregador por meio de contrato de trabalho intermitente pelo prazo de dezoito meses, contado da data da demissão do empregado. 
No contrato de trabalho intermitente, o empregador efetuará o recolhimento das contribuições previdenciárias próprias e do empregado e o depósito do FGTS com base nos valores pagos no período mensal e fornecerá ao empregado comprovante do cumprimento dessas obrigações. 
O empregador efetuará o recolhimento das contribuições previdenciárias próprias e do trabalhador e o depósito do FGTS com base nos valores pagos no período mensal e fornecerá ao empregado comprovante do cumprimento dessas obrigações. 
Os segurados enquadrados como empregados que, no somatório de remunerações auferidas de um ou mais empregadores no período de um mês, independentemente do tipo de contrato de trabalho, receberem remuneração inferior ao salário mínimo mensal, poderão recolher ao Regime Geral de Previdência Social a diferença entre a remuneração recebida e o valor do salário mínimo mensal, em que incidirá a mesma alíquota aplicada à contribuição do trabalhador retida pelo empregador. 
Na hipótese de não ser feito o recolhimento complementar previsto no § 1º do Art.911-A da CLT, o mês em que a remuneração total recebida pelo segurado de um ou mais empregadores for menor que o salário mínimo mensal não será considerado para fins de aquisição e manutenção de qualidade de segurado do Regime Geral de Previdência Social nem para cumprimento dos períodos de carência para concessão dos benefícios previdenciários. 
O auxílio-doença será devido ao segurado da Previdência Social a partir da data do início da incapacidade, vedada a aplicação do disposto § 3º do art. 60 da Lei nº 8.213, de 1991, ou seja, não há o pagamento dos quinze primeiros dias pelo empregador. 
O salário maternidade será pago diretamente pela Previdência Social, nos termos do disposto no § 3º do art. 72 da Lei nº 8.213, de 1991. 
A extinção do contrato de trabalho intermitente não autoriza o ingresso no Programa de Seguro Desemprego. 
Base Legal – Art.443, §3º da CLT; art.452-A e seguintes da CLT.   

Att.,
Eros de Oliveira
há 1 ano Sexta-Feira | 12 julho 2019 | 13:09

entao quer dizer se mesmo o funcionario de contrato intermitente pedir demissao ele tera direito a

Ressalvadas as hipóteses a que se referem os art. 482 e art. 483 da CLT, na hipótese de extinção do contrato de trabalho intermitente serão devidas as seguintes verbas rescisórias: 
I - pela metade: 
a) o aviso prévio indenizado, calculado conforme o art. 452- F; e 
b) a indenização sobre o saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS, prevista no § 1º do art. 18 da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990; e 
II - na integralidade, as demais verbas trabalhistas. 

ate o aviso prévio indenizado pela metade ele terá direito?

há 16 semanas Terça-Feira | 30 junho 2020 | 09:54

Eu li dizendo que pedido de demissão mantem esse mesmo calculo para rescisão, só não estou localizando agora. Mas estou com a mesma duvida. O funcionário pediu conta hoje, quando fui fazer a rescisão, vem essa duvida e lugar nenhum na internet esta claro. 

há 11 semanas Sexta-Feira | 7 agosto 2020 | 16:59

Boa tarde!

Por gentileza, 

Se puderem me auxiliar,

Para Rescisão de Contrato de trabalho Intermitente onde o empregado pede a demissão, qual a informação devo lançar no Termo de Rescisão no TIPO DE CONTRATO e no campos CAUSA DO AFASTAMENTO.

RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.